Angola

Surto de doença desconhecida faz três mortos em Benguela


 

Lusa / AO online   Internacional   22 de Nov de 2007, 10:50

Três pessoas morreram na povoação de Lussalo, província angolana de Benguela, vítimas de uma doença desconhecida, noticiou a Rádio Nacional de Angola.

Os primeiros casos, ainda segundo a rádio pública angolana, surgiram em Outubro passado e, para já, ainda não foi estabelecida qualquer ligação à doença que já fez centenas de contágios em Cacuaco, a norte de Luanda.

Os sintomas das duas patologias são distintos.

Segundo a emissora, até ao momento foram já registados 63 casos desta doença em Benguela, que fica no litoral de Angola, para Sul da capital do país.

Os sintomas da nova patologia são, adiantou a RNA, tosse, hemorragia nasal e convulsões.

Os habitantes da povoação de Lussalo, no município de Caimbambo, estão acometidos por esta estranha doença desde o passado dia 10 de Outubro, altura em que surgiram os primeiros casos.

Contactada pela Agência Lusa em Luanda, a Organização Mundial de Saúde(OMS), ainda não tem conhecimento do surto de Benguela.

No entanto, a fonte da organização garantiu à Lusa que vai ser dada atenção ao caso.

Entretanto, uma equipa dos serviços de saúde pública e controlo de endemias de Benguela deslocou-se àquela localidade para a recolha de amostras para análises laboratoriais.

De acordo com o responsável de saúde pública e controlo de endemias de Benguela, Valentino Caliengue, as amostras seguiram hoje para Luanda.

"Recolhemos amostras de sangue e de escarro, que enviamos hoje por via aérea para o laboratório nacional de saúde pública de Luanda e esperamos que se faça um despiste da tosse convulsa", disse o médico.

Numa semana, o número de casos aumentou de 22 para 63, o que levou as autoridades sanitárias de Benguela a colocar o sistema de saúde em "alerta máximo".

O recurso a tratamentos tradicionais e a auto-medicação agravou o quadro clínico dos pacientes, sendo esta, segundo as autoridades de saúde locais, uma das razões para a existência de três vítimas mortais desta ainda desconhecida patologia.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.