Açoriano Oriental
Polícia da Nova Zelândia admite pelo menos 14 mortos devido a erupção do vulcão Whakaari

A polícia da Nova Zelândia admitiu que sejam pelo menos 14 o número de mortos causado pela erupção de um vulcão numa ilha daquele país, de acordo com um novo balanço ainda provisório.

Polícia da Nova Zelândia admite pelo menos 14 mortos devido a erupção do vulcão Whakaari

Autor: Lusa/AO Online

O último balanço, que tinha sido anunciado hoje de manhã, referia a existência de cinco mortos e oito desaparecidos.

Numa conferência de imprensa realizada, esta terça-feira, a polícia confirmou a morte de cinco pessoas e adiantou considerar já mortas outras oito, desaparecidas desde o incidente. Durante a noite, as autoridades confirmaram ainda a morte de um dos feridos, que estava no Hospital de Auckland.

A polícia já anunciou que vai abrir uma investigação criminal para determinar se houve responsabilidades dos operadores turísticos nas mortes causadas pela erupção do vulcão Whakaari.

O nível de ameaça do vulcão foi aumentado na semana passada, o que levanta a questão de saber se os turistas deveriam ter tido autorização para visitar a Ilha Branca, também chamada Whakaari, no norte da Nova Zelândia.

“Vamos abrir uma investigação criminal sobre as circunstâncias em que as pessoas morreram e foram feridas”, disse o vice-comissário da polícia neozelandesa, John Tims, na conferência de imprensa.

“Não podemos dizer a 100% que todos estão mortos, mas há fortes indícios de que não resta ninguém vivo na ilha”, afirmou John Tims.

“Esta manhã, os esforços estão a ser concentrados na tentativa de recuperar os corpos, garantindo que a polícia o possa fazer em segurança”, adiantou a primeira-ministra, Jacinda Ardern, admitindo que nenhum dos voos feitos sobre a ilha detetou qualquer sinal de vida.

Entre os desaparecidos e feridos contam-se turistas da Austrália, Estados Unidos, Reino Unido, China e Malásia, além de neozelandeses que os guiavam.

“Quarenta e sete pessoas estavam na ilha” e 31 estão atualmente hospitalizadas, adiantou um porta-voz da polícia, Bruce Bird.

A erupção, ocorrida às 14h11 de segunda-feira (01h11 em Lisboa), libertou uma espessa nuvem de fumo branco, a uma altura de 3,6 quilómetros.

Imagens captadas por uma câmara no local mostraram um grupo de meia dúzia de pessoas a andar pela cratera, alguns segundos antes da erupção do Whakaari.

No dia 03 de dezembro, o grupo de controlo de atividades geológicas da GeoNet alertou que o vulcão Whakaari tinha entrado num “período de atividade eruptiva”, embora tenha apontado que a situação não representava “perigo direto para os visitantes”.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.