Herdade da Calada aposta nas exportações


 

Lusa / AO online   Economia   6 de Nov de 2007, 14:55

A empresa produtora de vinho Herdade da Calada, situada nos arredores de Évora, pretende expandir as suas exportações em 2008 para mercados como os Estados Unidos, Brasil e Ásia, disse terça-feira fonte da empresa.
Actualmente, a empresa exporta cerca de 40 por cento da sua produção para a Alemanha, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Suiça, Reino Unido e Canadá.

Com a aposta nos mercados norte-americano, brasileiro e asiático, a empresa pretende atingir, no prazo de três anos, uma percentagem entre 70 a 75 por cento nas vendas para o mercado externo.

"As nossas referências têm, na sua maioria, menos de 10 mil garrafas, exclusividade que agrada a estes países, que têm dinheiro para pagar a qualidade", explicou à agência Lusa Luís Galo, director-geral da empresa.

O responsável justificou o esforço da empresa no mercado internacional com o argumento de que “lá fora conta mais a qualidade do vinho e não tanto o reconhecimento das marcas comerciais".

A Herdade da Calada funciona como empresa vinícola desde 2000, mas já existe como quinta desde 1854, produzindo cerca de 120 mil garrafas por ano dos vinhos Caladessa, Vale da Calada e Baron de B.

Para além da produção de vinho, a Herdade da Calada, que possui 110 hectares de olival, também produz e exporta azeite virgem extra.

Em 2006 produziu cinco mil garrafas destinadas ao lançamento experimental em Portugal e nos mercados da Alemanha e Suiça.

No projecto de produção de azeite, a Herdade da Calada prevê um crescimento sustentado nos próximos três anos e espera que, a médio prazo, este produto venha a representar 50 a 60 por cento do volume de negócios da empresa.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.