Uma em cada três crianças expostas ao fumo do tabaco em casa

Uma em cada três crianças expostas ao fumo do tabaco em casa

 

Lusa/AO online   Nacional   17 de Out de 2012, 15:38

Em Portugal, uma em cada três crianças está exposta ao fumo do tabaco em casa, sendo as mães as principais "infratoras", revela uma investigação premiada pela Sociedade Portuguesa de Pediatria.

Segundo a investigação, 70 por cento das mães fumadoras fazem-no no domicílio, enquanto que, no caso dos pais, essa percentagem se fica pelos 57 por cento.

O estudo conclui ainda que a cozinha é o local escolhido pelas mães para fumar, enquanto o pai, os irmãos e os convidados decidem fazê-lo em zonas próximas de janelas ou portas abertas para exterior.

A investigação, levada a cabo por uma equipa coordenada por José Precioso, do Instituto de Educação da Universidade do Minho, recebeu o Grande Prémio da Sociedade Portuguesa de Pediatria, que distingue anualmente o melhor trabalho ou comunicação oral apresentado no congresso nacional daquela área.

Intitulado "Crianças expostas ao fumo ambiental de tabaco em casa e no carro em Portugal", o estudo foi desenvolvido com uma amostra representativa de nove concelhos de Portugal (Braga, Porto, Viana do Castelo, Covilhã, Lisboa, Évora, Faro, Funchal e Angra do Heroísmo), constituída por 3.187 alunos do 4.º ano de escolaridade, no ano letivo de 2010/11.

Outra conclusão é que mais de um quarto das crianças que são transportadas de carro são igualmente expostas ao fumo do tabaco.

Neste particular, os pais são responsáveis por metade das "infrações".

"É fundamental que os pais protejam a saúde dos filhos. Os pediatras devem aconselhar os pais a não fumarem em casa ou no carro. Os professores, no âmbito do programa Domicílios 100% Livres de Fumo, estão já a ensinar as crianças a protegerem-se desta agressão", revelou José Precioso.

Para o investigador, "é relevante discutir mitos e falsas crenças" associados com a exposição de crianças, como os que dizem que "fumar em casa e no carro quando a criança não está presente evita a contaminação" ou que "fumar na cozinha ou perto da janela não expõe a criança”.

Desenvolvida por nove entidades ibéricas, a comunicação "Crianças expostas ao fumo ambiental de tabaco em casa e no carro em Portugal" foi apresentada este mês no 13.º Congresso Português de Pediatria, por Henedina Antunes, do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da Universidade do Minho e pediatra no Hospital de Braga.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.