Primeira reunião da AR com burburinho, ‘selfies’, atrasos mas sem campainha

Primeira reunião da AR com burburinho, ‘selfies’, atrasos mas sem campainha

 

Lusa/AO Online   Nacional   25 de Out de 2019, 10:31

A primeira sessão da XIV legislatura iniciou-se esta sexta-feira em clima de burburinho e agitação nos corredores da Assembleia da República onde, por uma vez, não se ouviu a tradicional campainha para "chamar" os deputados.

Antes ainda das 09h30 (menos uma nos Açores) já havia deputados no centro de acolhimento para tratar das formalidades e, à mesma hora, já pelo menos um parlamentar socialista estava sentado no seu lugar no hemiciclo, Ascenso Simões, eleito por Vila Real.

E, em ambiente descontraído, quando faltavam 10 minutos para o início da sessão, à sala foram chegando mais deputados do PS e do PSD, tendo os parlamentares dos restantes partidos entrado já mais perto da hora.

No caso do BE, quando faltavam dois minutos para a hora marcada, Catarina Martins entrou no hemiciclo liderando todo o grupo, que teve que aguardar uns instantes para se sentar, tendo João Vasconcelos ajudado os novos parlamentares do partido a tomar os seus lugares nas filas mais atrás.

Novos e velhos deputados, independentemente do partido, foram-se cumprimentando efusivamente e houve até tempo para tirar fotografias deste primeiro dia.

Uma das selfies teve como interveniente André Silva, do PAN, tendo a nova líder da bancada do partido, Inês Sousa Real, feito questão de registar o momento em que o partido chegou à primeira fila do hemiciclo, agora que é um grupo parlamentar, num lugar que habitualmente estava reservado aos sociais-democratas.

À hora marcada para a sessão começar, às 10h00, o presidente cessante da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, entrou na sala e foi cumprimentando alguns deputados, de todos os partidos, demorando-se mais em conversas com às bancadas de esquerda.

No entanto, no centro da sala de sessões foi bem visível uma conversa de Ferro Rodrigues com o líder do PSD e de novo deputado, Rui Rio, que hoje regressou ao parlamento 18 anos depois.

Outro estreante que entrou antes da hora foi o deputado único da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, que saudou todo o CDS, incluindo a líder Assunção Cristas.

Cumprindo a praxe parlamentar, às 10h09 e sem a habitual campainha, foi a líder da bancada mais votada nas eleições de 06 de outubro, a socialista Ana Catarina Mendes, que abriu a sessão, convidando Ferro Rodrigues a dirigir os trabalhos.

Já Ferro estava a falar quando entrou atrasado no hemiciclo, às 10h12, o deputado único do Chega, André Ventura.

André Ventura começou por se tentar sentar, mas não conseguiu espaço para puxar a cadeira, o que obrigou a deputada centrista Ana Rita Bessa a levantar-se do seu lugar, sair para a fila de trás, a terceira, para permitir que André Ventura conseguisse finalmente ocupar o seu assento.

Já depois da sessão ter sido suspensa até às 15:00, o deputado único do Chega e o deputado do CDS-PP Telmo Correia trocaram algumas palavras, apontando para o lugar que agora pertence a André Ventura.

Já esta semana foi Telmo Correia que após uma conferência de líderes explicou aos jornalistas a dificuldade "prática" do lugar que foi atribuído a André Ventura, que segundo os centristas fica "dentro" do grupo parlamentar do CDS-PP e num lugar de difícil acesso.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.