Açoriano Oriental
Pico vai ter Casa dos Vulcões com simulador de sismos e viagem ao centro da Terra
A ilha do Pico, nos Açores, vai ter uma Casa dos Vulcões, investimento de dois milhões de euros que inclui um simulador de sismos e uma cápsula sensorial para permitir viajar ao centro da Terra.
article.title

Foto: siaram.azores.gov.p
Autor: Lusa/AO Online

Na apresentação do projeto, no centro de interpretação da Paisagem da Cultura da Vinha, no concelho de São Roque do Pico, o secretário regional do Ambiente, Neto Viveiros, explicou que a obra pretende, “com base em critérios científicos e adaptado ao turismo de preservação, proporcionar uma maior divulgação do património geológico dos Açores e de toda a sua geodiversidade, presente em vulcões, grutas e outras paisagens vulcânicas”.

Neto Viveiros destacou que a obra ficará “em pleno núcleo da Paisagem Protegida da Cultura da Vinha da ilha do Pico, classificada pela UNESCO [Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura] como Património Mundial” e “enquadrada pela montanha do Pico, simultaneamente o mais jovem e o maior vulcão poligenético dos Açores (resultou de várias erupções ao longo do tempo), o ponto mais alto de Portugal e o terceiro maior vulcão do oceano Atlântico”.

Segundo o governante, “a Casa dos Vulcões constituirá o ponto de partida para a exploração e conhecimento desse património geológico, dotando a ilha do Pico de um centro de interpretação que lhe dê o devido destaque, em complemento do apoio à visitação proporcionado pela Casa da Montanha”.

“Por outro lado, a intervenção promove a recuperação do património edificado do núcleo do Lajido de Santa Luzia, ao ser executada com base nas ruínas” de dois armazéns tradicionais, propriedade da região, referiu.

Quanto à exposição permanente da Casa dos Vulcões, “foi idealizada tendo por base um conjunto de módulos que contam a história dos vulcões dos Açores e do mundo”, adiantou o secretário regional da Agricultura e Ambiente.

Haverá uma “cápsula sensorial constituída por um domo geodésico representando um veículo destinado a realizar viagens imaginárias ao centro da Terra e onde serão efetuadas projeções audiovisuais sobre o poder dos vulcões”.

Neto Viveiros realçou ainda um “simulador de sismos que permite simular, com grande realismo, sismos já ocorridos”.

Cada “experiência sísmica dura 90 segundos e é acompanhada de imagens e sons”.

“O simulador sísmico pode também ser utilizado como dispositivo pedagógico, no sentido de familiarizar as pessoas, particularmente as mais novas, com os fenómenos sísmicos e com as medidas de precaução e respostas básicas perante a ocorrência deste tipo de eventos”, acrescentou o responsável.

O projeto contempla ainda uma área educativa, denominada “Cantinhos dos Vulcões”, o que vai tornar o espaço “não apenas um centro de interpretação orientado para os turistas e público em geral, mas também um espaço de conhecimento e aprendizagem dirigido aos mais novos, onde serão desenvolvidas práticas cognitivas específicas, incluindo uma oficina de desenho, modelação e impressão 3D”.

O concurso público para a construção da Casa dos Vulcões, que integrará a rede regional de centros ambientais, vai ser lançado nos próximos dias. Tem um prazo de execução de 450 dias.

Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.