Educação

DREN diz que incidente com arma de plástico foi "brincadeira de mau gosto"


 

Lusa /AOonline   Nacional   26 de Dez de 2008, 09:21

A directora regional de Educação do Norte classificou como uma "brincadeira de mau gosto" o caso dos alunos que apontaram uma arma de plástico à professora durante uma aula, estando as imagens já a circular na Internet.
"É uma brincadeira de muito mau gosto e que excedeu os limites do bom senso, mas até agora não tenho razões para acreditar que tenha sido mais do que isso", afirmou à Lusa Margarida Moreira.

    O caso ocorreu na escola do Cerco, no Porto, a 18 de Dezembro, último dia de aulas do primeiro período, quando um grupo de alunos do 11º ano apontou uma arma de plástico à professora de Psicologia, exigindo a atribuição de uma nota positiva.

    Na sequência dos incidentes, a presidente do conselho executivo decidiu abrir um inquérito disciplinar, tendo agendado para esta sexta-feira, em plenas férias do Natal, a audição dos alunos.

    Em declarações à Lusa, Margarida Moreira disse já ter ordenado ao Gabinete de Segurança da Direcção Regional de Educação do Norte (DREN) que acompanhe o decorrer do inquérito a este caso, de que só hoje teve conhecimento.

    "A escola não nos tinha comunicado qualquer ocorrência. Lamento seriamente, e já o disse à presidente do conselho executivo, que a comunicação social saiba do sucedido antes do Ministério da Educação", afirmou.

    Segundo a responsável da DREN, o grupo de alunos em causa teve, no passado, um percurso marcado pelo insucesso e abandono escolar, tendo depois sido integrado no ensino tecnológico, num curso de Desporto.

    De acordo com informações que recolheu junto do conselho executivo da escola, Margarida Moreira garante que estes estudantes estão agora a ter sucesso nas aulas, tendo poucas negativas e poucos problemas disciplinares.

    "Não gostaria de todo que um momento de mau gosto e insensatez, que todos podemos ter tido aos 17/18 anos, acabe por marcar um percurso que já é e quero que continue a ser feito de sucesso", frisou, assegurando que este episódio terá sido apenas "circunstancial".

    Para a directora regional, esta história não tem qualquer paralelo com o mediático caso da secundária Carolina Michaelis, também no Porto, onde em Março uma aluna agarrou e insultou a professora, depois de esta lhe ter confiscado o telemóvel.

    "Não tem nenhum paralelo com o caso do Carolina Michaelis, a não ser o facto de ter ocorrido no último dia de aulas de um período. No Norte acontecem sempre coisas no último dia de aulas", afirmou a directora regional.

    O caso Carolina Michaelis, que há nove meses chocou a opinião pública depois de as imagens captadas por telemóvel terem sido divulgadas no Youtube, chegou ao Tribunal de Família e Menores, que acabou por arquivá-lo, tendo a aluna em causa sido punida com a transferência de escola e 30 horas de trabalho comunitário.

    Já no caso ocorrido a 18 de Dezembro na escola do Cerco e hoje divulgado, também a presidente do conselho executivo considera ter-se tratado apenas "de uma brincadeira de fim de período que mais ou menos toda a gente fez" e que seria resolvida internamente, caso não tivessem sido captadas as imagens que circulam na Internet.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.