Dilma Rousseff defende "coesão política" de emergentes na próxima cimeira do G-20

Dilma Rousseff defende "coesão política" de emergentes na próxima cimeira do G-20

 

Lusa/AO online   Economia   18 de Out de 2011, 13:58

A Presidente brasileira, Dilma Rousseff, defendeu hoje em Pretória, ao lado dos líderes da África do Sul e da Índia, a necessidade de uma "coesão política" entre as três nações emergentes na próxima reunião do G-20, em novembro

"Nesta Cúpula do G-20, em novembro, precisamos transmitir uma forte mensagem de coesão política e de coordenação macroeconómica", defendeu a líder brasileira em discurso durante o V Fórum IBAS.

Ao comentar a crise internacional, Dilma Rousseff ressaltou a necessidade de um acordo "credível" entre os países europeus e voltou a apontar que "medidas recessivas nunca tiraram nenhum país da crise e do desemprego".

"Não podemos ficar reféns de visões ultrapassadas ou de paradigmas vazios de preocupação social, em relação ao emprego e em relação à riqueza dos povos", defendeu.

Entre as medidas necessárias para reverter o quadro recessivo da economia mundial, Dilma Rousseff defendeu o fim de políticas monetárias "que provocam uma verdadeira guerra cambial e estimulam o protecionismo".

A política mencionou ainda a necessidade de se regularizar o sistema financeiro e de se encontrar uma solução para o problema da dívida soberana.

Na sequência, a Presidente ressaltou o bem sucedido "modelo brasileiro", no qual o programa de distribuição de rendimentos contribuiu para melhorar o poder aquisitivo da população mais pobre e, com isso, fortalecer o mercado interno.

Ao enfatizar a importância das economias indiana, brasileira e sul-africana, Dilma Rousseff também reforçou o interesse destas nações em ampliar o seu poder em organizações internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial.

"Esse legado deve se refletir no processo de reforma em curso no Fundo Monetário e no Banco Mundial, conferindo aos países emergentes um poder de voto equivalente a seu peso crescente na economia mundial", acrescentou.

A líder brasileira viaja ainda hoje para Maputo, Moçambique, onde inicia uma visita bilateral.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.