AR discute proposta para acabar com instituições que recebem dinheiro do Estado

AR  discute proposta para acabar com instituições que recebem dinheiro do Estado

 

Lusa/AO Online   Nacional   29 de Set de 2011, 09:24

 O Parlamento discute hoje uma proposta de lei que supõe a extinção de todas as fundações públicas e privadas que recem dinheiro do Estado e fim do financiamento, o que o PS chama uma "bomba atómica".

Assim, o Governo quer a "extinção de todas as fundações públicas de direito público" e as de direito privado detidas maioritariamente por entidades estaduais.

Além disso, deverá acabar "qualquer apoio financeiro" a estas entidades por parte de qualquer organismo do Estado e ser suspenso o seu estatuto de utilidade pública até que se prove que têm sustentabilidade, em cujo caso será revertida a extinção e o fim do financiamento.

A deputada socialista Isabel Santos disse à Agência Lusa que a proposta é uma "bomba atómica" e "um ataque muito sério a organizações de grande relevância na sociedade civil".

A parlamentar indicou que sob a definição das entidades a extinguir caem "instituições de solidariedade social, as universidades do Porto e de Aveiro, o INATEL ou a Casa de Serralves".

"As que são instituições privadas de solidariedade social deixarão de receber apoios da Segurança Social. Todas estas entidades, como as universidades do Porto e de Aveiro, entrarão em gestão se a proposta for aprovada como está", frisou.

Pelo Bloco de Esquerda (BE), o deputado Pedro Soares considerou "estranho que no documento se proponha que todas estas entidades serão extintas a não ser que se venha a verificar a sua utilidade".

"O pressuposto parece-nos errado: assume-se a inexplicabilidade [das fundações] e que todas são desnecessárias", indicou Pedro Soares, referindo que o BE espera que a maioria esteja disposta a discutir alterações à proposta no debate na especialidade.

Tanto o PS como o BE concordam numa coisa: é preciso um censo do número e da tipologia de todas as fundações existentes.

Fonte da presidência do Conselho de Ministros disse à Lusa que a extinção das fundações é reversível se se vier a verificar a sua sustentabilidade, frisando que o objeto da proposta é "primeiro fazer um diagnóstico" do setor.

Ainda de acordo com o programa do Governo invocado na fundamentação da proposta, depois do levantamento das fundações, "serão definidas as opções de extinção, de reorganização, de privatização ou de reintegração na administração das entidades".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.