Previsões sobre o 'fim do mundo' debatidas na sexta-feira

Previsões sobre o 'fim do mundo' debatidas na sexta-feira

 

Lusa/AO online   Regional   18 de Dez de 2012, 13:46

Os açorianos debatem a 21 de dezembro, nas perspetivas científica, religiosa e espiritual, o fim do mundo supostamente previsto pelo calendário maia, anunciou a organização do evento, que decorre em Ponta Delgada.

“Pretende-se que as pessoas assumam uma posição aberta às explicações de várias índoles”, afirmou Amélia Lopes, que organizou o debate intitulado “Maias: O fim do mundo previamente anunciado?”, que decorre na sexta-feira no Centro de Estudos Natália Correia, em Ponta Delgada.

Amélia Lopes, licenciada em Filosofia, referiu que o debate, com entrada gratuita e início marcado para as 20:30, servirá para analisar o impacto das profecias apocalípticas na vida do Homem.

“Achei que seria bom em Ponta Delgada, que é onde eu vivo, realizar-se um encontro desta natureza. Dinamizei o acontecimento e agora vai quem for, toda a gente será muito bem-vinda”, salientou a organizadora, acrescentando que a iniciativa decorre no âmbito de um espírito de cidadania ativa.

O debate sobre o anunciado fim do mundo terá como palestrantes o presbítero Ricardo Tavares, a investigadora de literatura espiritual Lubélia Travassos e ainda o técnico de divulgação científica no Observatório Astronómico de Santana, na ilha de S. Miguel, Pedro Garcia.

Segundo Amélia Lopes, “ninguém estará habilitado para definir a data do fim do mundo”, acrescentando que “o principal culpado de alguma síndrome do fim do mundo é o próprio Homem, que o entendeu como uma fonte inesgotável de recursos”.

A organizadora do debate contesta que a profecia maia aponte para o fim do mundo no dia 21 de dezembro, culpando a comunicação social de especular e dar uma dimensão mundial ao tema.

A origem do calendário maia remonta ao século VI a.C.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.