Manifestação junta dezenas de pessoas em defesa da Lagoa das Furnas

Manifestação junta dezenas de pessoas em defesa da Lagoa das Furnas

 

Lusa / AO online   Regional   11 de Set de 2011, 18:46

Uma manifestação em defesa da Lagoa das Furnas, um dos “ex-libris” de S.Miguel, nos Açores, juntou dezenas de pessoas no local, embora na rede social Facebook, onde foi lançada a iniciativa, estivessem confirmadas mais de 7.500 presenças.

Sob o lema “A Lagoa das Furnas está a morrer e ninguém faz nada”, a manifestação foi convocada na sequência do agravamento do estado das águas daquela lagoa (uma coloração amarelada e mau cheiro) em cujas margens se cozinha o famoso ‘Cozido das Furnas’.

“Às vezes está mais amarela, outras menos”, constatou aos jornalistas Berta Maria, residente nas Furnas, alertando para a eventualidade de a lagoa "se transformar num pântano e nunca mais ser um cartaz turístico".

Daniel, que usava uma camisola verde correspondendo ao apelo da organização do evento, admitiu estar à espera de “muitas mais pessoas” na iniciativa, mas sublinhou que “são muitos aqueles que estão solidários e aderiram ao evento na rede social”.

“Estou a estudar fora, mas sempre que venho cá de férias a lagoa está pior todas as vezes, mas atualmente muito mais”, lamentou.

Mais ao lado, Teófilo Braga, do movimento SOS Lagoas, criado em dezembro de 1992, afirmou: “As pessoas estão habituadas à água transparente, mas quando chegam às Furnas veem as águas amareladas ou esverdeadas e o mesmo se passa na outra lagoa, a das Sete Cidades”, também em S.Miguel.

“Desde 1983, data em que saíram os primeiros estudos sobre a eutrofização das lagoas e até hoje poderia ter sido feito muito mais do que está implantado no terreno”, apontou aos jornalistas.

Miguel Bettencourt, promotor da iniciativa, justificou "não estar à espera das 7.500 pessoas que confirmaram a presença no Facebook", porque "muitas não podiam estar presentes, mas estão preocupadas com a Lagoa das Furnas".

"Viu-se o impacto que o movimento teve para salvar a nossa Lagoa das Furnas, independentemente de cores partidárias, de individualidades, da empresa A, B ou C", disse aos jornalistas, reiterando que o objetivo do movimento é "alertar ainda mais a sociedade" para uma atenção redobrada à Lagoa "exigindo ainda mais e melhor".

O Governo dos Açores já assegurou que a Lagoa “não é um caso perdido” e que a situação “não é irreversível”, tendo o secretário regional do Ambiente explicado que a coloração amarela da água da lagoa foi originada por uma “grande densidade de cinobactérias”, na sequência de muitos dias seguidos de elevadas temperaturas, pouco vento e nenhuma chuva.

Hoje, o executivo regional “lançou uma campanha de voluntariado para florestação das terras altas” mas segundo a presidente do conselho de administração da SPRAçores (Sociedade de Promoção da Gestão Ambiental), Hélia Palha, "foi pouca a adesão à iniciativa".

Hélia Palha disse que a iniciativa, que incluiu ainda uma tenda com informação sobre a intervenção no ecossistema em causa, "não se tratou de uma contra manifestação", frisando que "é salutar que a população se preocupe com a lagoa".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.