Açoriano Oriental
Eleições
Pedro Nuno pede voto de confiança a indecisos e promete não desiludir

O secretário-geral do PS dirigiu-se hoje diretamente aos indecisos para lhes pedir um voto de confiança, comprometendo-se a não desiludi-los, e agradeceu a António Costa por tê-lo feito “crescer politicamente”.

Pedro Nuno pede voto de confiança a indecisos e promete não desiludir

Autor: Lusa /AO Online

“Eu quero pedir aos indecisos, a quem ainda não decidiu o seu voto, para que confiem em nós, em mim, para que confiem em quem sempre se bateu por um país para todos, por um país inclusivo, por um país que não deixa ninguém para trás, que não desiste de ninguém, para quem ninguém é invisível”, declarou Pedro Nuno Santos.

O secretário-geral socialista discursava perante uma sala lotada no pavilhão Rosa Mota, no Porto, e com várias personalidades do PS a ouvirem-no na plateia, como o primeiro-ministro, António Costa, ou o presidente do parlamento, Augusto Santos Silva.

Neste apelo aos indecisos, Pedro Nuno Santos deixou-lhes uma promessa: “Confiem em mim, não vos vou desiludir. Temos um país e um futuro para construir.”

Logo no início do seu discurso, Pedro Nuno Santos dirigiu-se a António Costa para destacar a “enorme honra” que é tê-lo no comício e agradecer-lhe pelos anos em que integrou o seu Governo.

“Agradecer os anos que trabalhámos juntos e a oportunidade que me foi dada para crescer politicamente. É uma honra enorme tê-lo e é um gosto enorme, para nós socialistas que tanto gostamos de si, saber que este tempo livre lhe fez tão bem”, afirmou.

O secretário-geral do PS destacou que o partido tem orgulho nos últimos oito anos, salientando que quem fala mal dos resultados da governação não está “a faltar ao respeito ao PS, mas aos portugueses, mas a tudo aquilo que os portugueses conseguiram construir em conjunto”.

Apesar de reconhecer que “não está tudo bem”, Pedro Nuno Santos voltou a destacar que a economia hoje cresce mais, a dívida pública é mais baixa, os salários estão mais altos ou que o abandono escolar cresceu, além de acrescentar que, apesar de o Governo ter enfrentado uma pandemia, uma guerra na Europa e o aumento da inflação, conseguiu garantir estabilidade aos trabalhadores e pensionistas.

“Este é o estado em que o país está hoje: de estabilidade, de segurança, de contas equilibradas. Nós agora queremos avançar, avançar para a frente. António Costa garantiu-nos o presente e nós agora queremos construir o futuro. É isso que nós queremos fazer nos próximos anos”, afirmou.

À semelhança do que tem feito durante a campanha, Pedro Nuno Santos voltou a insistir na ideia de a Aliança Democrática (AD) apresenta “um projeto de passado, com um rosto de passado, com as soluções de passado”.

“Com eles nós recuaríamos ao tempo em que as pensões e os salários eram fatores de ajustamento quando havia apertos ou crises, voltaríamos ao tempo em que se negavam direitos às mulheres, em que se desvalorizava o papel das mulheres na sociedade portuguesa. Voltaríamos ao tempo em que o ambiente não era uma prioridade, em que se achava que os aumentos salariais prejudicavam a economia, em que se incentivavam os jovens a emigrar”, disse.

Pedro Nuno Santos defendeu assim que o próximo dia 10 de março vai ser uma “das datas mais importantes” do futuro de Portugal, considerando que se estará a defender “uma herança dos 50 anos de Abril”, que “alguns querem fazer crer que foram 50 anos perdidos”.

“50 anos de construção, 50 anos em que fomos em conjunto capazes de construir um serviço nacional de saúde, um sistema público de pensões, uma escola pública, 50 anos que nos devem orgulhar enquanto povo”, defendeu, acrescentando que as legislativas serão também para "defender esse legado", mas "sempre com os olhos postos no futuro".

Mais de 10,8 milhões de portugueses são chamados a votar em 10 de março para eleger 230 deputados à Assembleia da República.

A estas eleições concorrem 18 forças políticas, 15 partidos e três coligações.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados