Açoriano Oriental
Mundial2022
Mbappé pode sagrar-se bicampeão com apenas 23 anos

O avançado francês Kylian Mbappé pode tornar-se no domingo bicampeão mundial de futebol aos 23 anos, ao ser um dos 10 jogadores da França que repete em 2022, no Qatar, a presença de 2018, na Rússia.

Mbappé pode sagrar-se bicampeão com apenas 23 anos

Autor: Lusa/AO Online

Então com 19 anos, Mbappé ajudou os gauleses a chegar ao título, contribuindo com quatro golos, em sete jogos, um deles na final, com a Croácia (4-2), e dois nos ‘oitavos’, face à Argentina (4-3), que agora reencontra no jogo que vai decidir o título de 2022 em Lusail, no Qatar.

Na presente edição, o jovem avançado somou mais cinco golos, em seis encontros, cotando-se como uma das grandes figuras da prova, e o seu melhor marcador, a par do argentino Lionel Messi, seu companheiro de equipa no Paris Saint-Germain.

Se chegar no domingo ao ‘bis’, Mbappé fica numa posição muito privilegiada para ‘sonhar’ com a possibilidade de poder alcançar o brasileiro Pelé, que é o único tricampeão mundial da história do futebol, face aos triunfos de 1958, 1962 e 1970.

Com apenas 23 anos – completa 24 na terça-feira -, o ‘10’ gaulês terá, em princípio, a possibilidade de disputar mais duas fases finais, em 2026, com 27 anos, e em 2030, com 31, sendo que não será impossível pensar numa quinta, em 2034, com 35.

Mbappé não é, porém, o único que, vencendo no domingo, poderá ambicionar com o ‘tri’, pois Ousmane Dembélé, com 25 anos, Benjamin Pavard e Lucas Hernández, com 26, Varane e Aréola (ainda sem jogos em Mundiais), com 29, e mesmo Griezmann, com 31, podem ter, pelo menos, mais uma oportunidade, dentro de quatro anos.

Por seu lado, Lloris (35 anos), já o mais internacional de França, com 144 internacionalizações, e Mandanda, que com 37 anos e 247 dias se tornou, face à Tunísia, o mais velho de sempre a representar os gauleses, terão de ‘contentar-se’ com o ‘bis’.

Antes de pensarem no ‘tri’, os 10 franceses que repetem 2018 têm primeiro de chegar ao segundo título, o que, a acontecer, os colocará lado a lado, no segundo lugar do ‘ranking’, apenas atrás de Pelé, com outros 20 jogadores.

Nesta posição, seguem um total de 15 brasileiros, 13 dos quais companheiros de equipa do ‘rei’ nas edições de 1958 e 1962, casos dos ‘craques’ Garrincha, Zagalo, Gilmar, Didi ou Vavá.

Após a Rimet, arrebatada em 1970, ainda ‘bisaram’ Cafú, único jogador que marcou presença em três finais (1994, 1998 e 2002), e Ronaldo, segundo melhor marcador da história dos Mundiais, com 15 golos, ambos vencedores em 1994 e 2002.

Entre os bicampeões mundiais, constam ainda quatro italianos (Giuseppe Meazza, Giovanni Ferrari, Eraldo Monzeglio e Guido Masetti), que ganharam em 1934 e 1938.

O único jogador sem ser brasileiro ou italiano na lista é o central argentino Daniel Passarella, que ‘capitaneou’ a equipa em 1978 e viu do banco Diego Armando Maradona levar os ‘albi-celestes’ ao cetro em 1986.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados