Açoriano Oriental
Incêndios na Austrália já destruíram mais de 5,5 milhões de hectares

Os incêndios na Austrália já destruíram mais de 5,5 milhões de hectares, o equivalente a um país como a Dinamarca, e provocaram a morte de 24 pessoas.


Foto: EPA/MICK TSIKAS
Autor: Susete Rodrigues/Lusa

Os incêndios na Austrália já destruíram, desde setembro, mais de 5,5 milhões de hectares, o equivalente a um país como a Dinamarca, e provocaram a morte de 24 pessoas.

O estado da Nova Gales do Sul, o mais populoso da Austrália, continua a ser o mais afetado pelos incêndios, com os bombeiros a confirmarem a destruição de cerca de 60 casas nos últimos dois dias e a avisarem que o número poderá subir para várias centenas quando todo o território for inspecionado. Além disso, estão confirmados 18 mortos e outras duas pessoas foram dadas como desaparecidas.

Em Victoria, o governo regional contabilizou 200 casas destruídas pelas chamas no fim de semana, a maioria das quais no município de East Gippsland, que abrange a localidade de Mallacota, onde o fumo impediu a retirada por via aérea de 300 pessoas cercadas pelas chamas há vários dias.

O fumo também está a afetar outras cidades, como Melbourne e Camberra, onde a falta de visibilidade e a baixa qualidade do ar forçaram a capital a fechar creches.

Os incêndios, considerados dos piores do século na Austrália, levaram países como os Estados Unidos, o Canadá, a Nova Zelândia, Singapura ou França a enviar bombeiros, helicópteros e militares para ajudar no combate aos fogos.

De acordo com o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison vai ser canalizado dois mil milhões de dólares australianos (1,2 mil milhões de euros) para a recuperação de áreas afetadas pelos incêndios. O dinheiro será distribuído nos próximos dois anos e gerido por uma nova agência dedicada à a reconstrução de casas e infraestruturas danificadas.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.