Eu sou uma Ilha: o disco que traz o arquipélago e “a voz de um povo lá dentro”

Eu sou uma Ilha: o disco que traz o arquipélago e “a voz de um povo lá dentro”

 

Miguel Bettencourt Mota   Cultura e Social   25 de Jan de 2019, 09:02

Manuel Costa, baladeiro, diretor do Museu do Pico e um incorrigível apaixonado pelos Açores vai apresentar o primeiro (e último) álbum no Teatro Micaelense. Nesta entrevista, visitamos o disco e as convicções de um autor que quer a identidade e a música açoriana de cabeça levantada

Apresenta amanhã, no Teatro Micaelense, o resultado do seu primeiro trabalho discográfico, ‘Eu sou uma ilha’. O que vai dentro dessa “ilha”?

Eu andei à volta com algumas outras possibilidades de títulos para o CD, mas invariavelmente vinha ter a este. É um nome que condensa aquilo que eu sou, o que penso, aquilo que eu sinto, a minha visão do mundo e, de certo modo, a relação amorosa – e, por isso mesmo, às vezes irracional e cega – que eu mantenho com os Açores, com a minha terra.



Leia a entrevista na íntegra na edição desta sexta-feira, 25 janeiro 2019, do jornal Açoriano Oriental



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.