Crise

Banco Central Europeu é “solução clara nesta fase”

Banco Central Europeu é “solução clara nesta fase”

 

Lusa/AO online   Economia   12 de Nov de 2011, 13:46

Uma postura mais interventiva do Banco Central Europeu no apoio aos países em dificuldades financeiras é "a solução clara nesta fase" da crise do euro, afirmou o Presidente da República ao Washington Post.

Em declarações ao diário norte-americano, Cavaco Silva voltou a fazer reparos às instituições europeias pela lentidão e eficácia na resposta à crise do euro e a assegurar que Portugal irá cumprir as metas do acordo de financiamento com o Fundo Monetário Internacional, Comissão Europeia e Banco Central Europeu. "Nesta fase, há uma solução clara - o Banco Central Europeu", afirma o Presidente da República, que falou ao Washington Post na sexta feira. O banco, refere, deveria começar a comprar de forma mais agressiva obrigações de países pressionados pelos mercados, como tem sido nos últimos dias a Itália. A questão tem sido objeto de intenso debate no seio da União Europeia, entre os que defendem uma postura mais agressiva, semelhante à da Reserva Federal dos Estados Unidos, e os que querem que o banco central cumpra estritamente a obrigação de não financiar governos nacionais e de controlar a inflação. Cavaco Silva refere que a intervenção do BCE poderia contribuir para estabilizar os custos de financiamento de países sob pressão como a Espanha ou Itália e trazer maior normalidade aos mercados obrigacionistas da zona euro. "Deve sempre haver um financiador de última instância", refere o presidente da República. Também ao diário norte-americano, Cavaco expressou desagrado com a resposta dos líderes europeus à crise, tal como já tinha feito em entrevista à CNN no início da visita aos Estados Unidos, quando criticou as "demasiadas hesitações e alguma cacofonia". "Esta é uma crise sistémica de que os líderes europeus demoraram demasiado tempo a estar cientes", afirma. O presidente reforça também a mensagem de que Portugal está determinado em cumprir as suas metas financeiras e exclui um acordo de reestruturação da dívida como o da Grécia.  No artigo, o diário norte-americano escreve que, apesar de estar em melhor posição que a Grécia, "Portugal não tem tido o mesmo sucesso que a Irlanda na retoma da sua economia" e lembra que as últimas previsões europeias apontam para uma recessão mais forte para a economia portuguesa no próximo ano (a Comissão Europeia, na quinta-feira, estimou uma recessão de 3 por cento em 2012). O presidente afirma que o país terá de depender do crescimento das exportações, um "desafio numa altura em que os principais mercados no resto da Europa podem também estar a encaminhar-se para a recessão", escreve o Washington Post. Cavaco sublinha a estabilidade política em Portugal, um ativo numa altura em que o "risco político" está a ser fonte de penalização nos mercados financeiros. "Temos sorte nesse aspeto. O governo está muito determinado em cumprir com todas as medidas" do programa de financiamento do FMI, sublinha. O Presidente reservou hoje a manhã para mais uma entrevista com um órgão de comunicação social norte-americano, desta vez a Time Magazine, depois de já ter sido entrevistado pela CNN, a Bloomberg e o Washington Post. O quarto dia da visita aos Estados Unidos inicia-se com um almoço com políticos luso-americanos. À tarde, na residência oficial da embaixada de Portugal em Washington, cidade onde o chefe de Estado chegou na sexta-feira, Cavaco silva irá condecorar cinco figuras da comunidade portuguesa, participando depois na gala anual da associação PALCUS.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.