Açoriano Oriental
Petições passam a precisar de 10.000 assinaturas para serem discutidas em plenário da AR

O parlamento aprovou, na especialidade, uma alteração que eleva de 4.000 para 10.000 o número mínimo de assinaturas necessárias para que uma petição seja discutida em plenário.

Petições passam a precisar de 10.000 assinaturas para serem discutidas em plenário da AR

Autor: Lusa/AO Online

A iniciativa tem por base um projeto-lei do PSD aprovado na generalidade em 10 de julho e foi hoje votado na especialidade no grupo de trabalho relativo às alterações ao Regimento da Assembleia da República, por se ter considerado tratar-se de matéria conexa.

O PSD pretendia que o número mínimo de assinaturas necessárias para discussão de uma petição em plenário passasse a ser de 15.000, mas esse artigo acabou ‘chumbado’, sendo aprovada uma proposta de alteração do PS que fixa esse limite mínimo em dez mil assinaturas.

A proposta de alteração do PS foi aprovada com a abstenção do PSD e Iniciativa Liberal e contra das restantes bancadas.

O texto votado estabelece ainda que as petições que recolham entre quatro e dez mil assinaturas sejam discutidas na comissão parlamentar competente.

O grupo de trabalho realizou também votações indiciárias na especialidade em relação a um projeto do PAN, que pretende alterar as regras das iniciativas legislativas de cidadãos.

Nas votações indiciárias, foi aprovado o alargamento de matérias que podem ser objeto destas iniciativas, mas ‘chumbado’ outro dos objetivos do PAN com o diploma: reduzir de 20.000 para 15.000 o número mínimo de cidadãos que pode apresentar um projeto lei à Assembleia da República.

A proposta do PS de eliminar esta alteração do PAN - que constava do projeto-lei já aprovado na generalidade - foi aprovada apenas com os votos favoráveis de PS e PSD, contando com o voto contra das restantes bancadas e deputados.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.