Açoriano Oriental
Brexit
UE avisa Reino Unido que é altura de “pôr cartas na mesa” para acordo comercial

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, avisou o Reino Unido que é altura de “pôr as cartas na mesa” sobre o futuro comercial de Bruxelas e Londres, vincando que o bloco comunitário não aceitará qualquer acordo.

UE avisa Reino Unido que é altura de “pôr cartas na mesa” para acordo comercial

Autor: Lusa/AO Online

“A UE prefere um acordo, mas não a qualquer custo. É altura de o Reino Unido pôr as suas cartas na mesa”, frisou Charles Michel, numa publicação feita na rede social Twitter.

A mensagem foi divulgada após Charles Michel ter falado com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, por telefone, e dias antes de os chefes de Governo e de Estado da União Europeia (UE) discutirem o acordo de comércio pós-Brexit.

Os líderes europeus reúnem-se na próxima semana em Bruxelas e é crucial que, até lá, Bruxelas e Londres consigam ultrapassar o impasse sobre o seu futuro comercial.

Meados de outubro é considerado o prazo para alcançar um entendimento, senão a ausência de um acordo resultará em tarifas aduaneiras no comércio entre o Reino Unido e o bloco europeu a partir de 01 de janeiro de 2021.

O Reino Unido deixou oficialmente a União Europeia a 31 de janeiro, mas continua a aplicar as regras do bloco europeu até 31 de dezembro.

Na ausência de um acordo comercial até ao primeiro dia de 2021, uma quebra repentina nas relações comerciais abalaria ainda mais as duas economias já enfraquecidas pela pandemia de covid-19.

Além das acentuadas divergências, as negociações entre os dois blocos têm decorrido dentro de um cronograma particularmente apertado.

Boris Johnson marcou a data de 15 de outubro, dia de cimeira europeia em Bruxelas, para chegar a um acordo, enquanto os europeus prolongam essa data até ao final de outubro.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.