Açoriano Oriental
Redes para vítimas de violência doméstica e de tráfico de pessoas sem financiamento "há meses"

A ministra da Juventude e Modernização disse ter sido surpreendida com “problemas” nas pastas de transição, nomeadamente a falta de financiamento “há meses” da rede de apoio a vítimas de violência doméstica e de tráfico de seres humanos.

Redes para vítimas de violência doméstica e de tráfico de pessoas sem financiamento "há meses"

Autor: Lusa/AO Online

Margarida Balseiro Lopes está a ser ouvida na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias onde defendeu que “a prioridade deste Governo em matéria de igualdade é a prevenção e o combate a todas as formas de violência contra as mulheres, em particular a violência doméstica”.

Revelou que nos primeiros três meses de 2024, as forças policiais registaram 6.879 casos de violência doméstica, uma média de cerca de 2.300 ocorrências em cada mês, descrevendo a violência doméstica como “uma das formas mais graves de violação dos direitos humanos”.

A ministra disse que “para enfrentar esta realidade preocupante”, o Governo irá implementar políticas de combate à violência doméstica e outras formas de violência contra mulheres, mas também “adotar medidas preventivas mais robustas”.

Aproveitou para dar conta aos deputados do que recebeu do anterior Executivo, revelando que, quando assumiu funções, o “Governo foi surpreendido com uma série de problemas que não constavam da pasta de transição”.

“Fomos confrontados com falta de financiamento, com atrasos das entidades da rede nacional de apoio a vítimas de violência doméstica e da rede de apoio e proteção a vítimas de tráfico”, denunciou Margarida Balseiro Lopes.

Acrescentou que só a 20 de abril, “duas semanas depois da tomada de posse, é que o Governo se apercebeu da dimensão da fragilidade e (dos problemas) na estabilidade financeira que estas duas redes atravessavam”, acrescentou.

Segundo a ministra, as entidades que gerem as várias estruturas de atendimento e de emergências “estavam sem financiamento comunitário há longos meses”.

“Recebemos relatos alarmantes de entidades que enfrentavam dificuldades financeiras sérias, impossibilitando-as de responder às necessidades mais básicas de pessoas em situação de grande vulnerabilidade, incluindo crianças”, revelou a governante.

Margarida Balseiro Lopes disse que desde que iniciou funções tem procurado regularizar as dívidas com estas entidades, nomeadamente com o “reforço do adiantamento das candidaturas aprovadas do Pessoas2030 e do Algarve2030, de 10% para 35%”.

Na opinião da ministra, há, no entanto, um problema estrutural porque estas respostas “não podem estar dependentes de fundos comunitários e de receitas de jogos sociais”, que é o que acontece atualmente.

A governante disse ter sido também surpreendida “ao descobrir uma dívida superior a um milhão de euros à Cruz Vermelha portuguesa relativa aos serviços de teleassistência e transporte prestados em 2022 e 2023”, adiantando estar a trabalhar para resolver o problema “nas próximas semanas”, uma vez que “a estrutura de financiamento para a teleassistência tem-se revelado insuficiente para cobrir os custos crescentes”.

“Para solucionar este problema, e garantir maior estabilidade a este setor a partir de 2025, o financiamento das medidas de teleassistência será integralmente suportado pelo orçamento do Ministério da Justiça, ou seja, através do Orçamento do Estado, como sempre devia ter sido”, anunciou.

PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados