Nova espécie de térmitas localizada na Terceira

Nova espécie de térmitas  localizada na Terceira

 

Lusa/AO Online   Regional   3 de Nov de 2009, 10:22

Uma equipa de investigadores da Universidade dos Açores detectou, no antigo bairro americano, na Praia da Vitória a presença de uma nova espécie de térmita subterrânea. ( com ficheiro áudio)

Paulo Borges, professor investigador, disse hoje à agência Lusa que "a situação já é preocupante" tendo sido "alertadas as autoridades" no sentido de "agirem para prevenir o alastramento da praga às restantes ilhas e ao continente europeu".

Revelou supor que a nova térmita seja a "Reticulitermes flavipes", predominante na costa leste dos Estados Unidos da América, e tenha sido "transportada por militares americanos da Base das Lajes ou por imigrantes açorianos provenientes dos EUA".

De acordo com Paulo Borges, as térmitas foram detectadas entre a zona das Amoreiras e o Bairro Social de Santa Rita na Praia, após uma inspecção feita pelos investigadores a pedido de um dos moradores.

Duas das casas vistoriadas apresentavam vestígios de térmitas subterrâneas no tecto, janelas, móveis e armários, tendo sido encontrados indivíduos desta mesma espécie nos quintais das habitações, acrescentou o investigador.

Os especialistas foram alertados para a presença desta nova espécie ao detectarem pequenos túneis descendentes do tecto e detritos com aspecto de terra, bem como túneis junto à madeira.

Segundo os investigadores, suspeita-se que algumas madeiras já tenham no seu interior colónias reprodutoras da espécie, considerada invasora e com potencial de destruição.

Foram enviadas amostras para o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e para dois especialistas internacionais aguardando-se que ainda esta semana seja recebido o resultado definitivo das análises, adiantou Paulo Borges.

Numa análise mais superficial concluiu-se que se trata de uma espécie diferente da térmita subterrânea existente no Faial, de origem europeia, e, até agora, a única conhecida nos Açores.

Paulo Borges preconiza "medidas urgentes para um rápido controlo da sua propagação e minimização do seu impacto social e financeiro na ilha e no Arquipélago".

Já foram notificadas a Câmara Municipal da Praia da Vitória e os Serviços de Ambiente da Ilha Terceira para que seja feito um estudo de pormenor para determinar a área afectada.

O estudo aponta como metodologia "a aplicação de armadilhas no solo num raio a 10, 50 e 100 metros dos focos já identificados no antigo Bairro Americano, sendo posteriormente monitorizadas durante o espaço de um mês".

Recomendam às autoridades para que, com o máximo de urgência, "seja queimada a madeira encontrada no exterior das casas infectadas, porque serve de alimento para as térmitas e potenciam a sua propagação".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.