Açoriano Oriental
Covid-19
Municípios querem ver alargados os prazos de leis para relançar economia

A Associação de Municípios pediu ao Governo para ampliar até ao final do ano os prazos de “legislação essencial”, alterada no âmbito da pandemia, para “apoiar as populações e as empresas e relançar a economia local”.

Municípios querem ver alargados os prazos de leis para relançar economia

Autor: Lusa/AO Online

O Conselho Diretivo da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) decidiu “solicitar ao Governo a renovação até final do corrente ano dos prazos de alguma da legislação essencial, alterada pelo Governo e/ou pela Assembleia da República, para que os municípios possam responder à pandemia de covid-19”, disse hoje o presidente da associação, Manuel Machado.

Trata-se, por exemplo, de “legislação relativa a concessão de isenções e benefícios fiscais aos cidadãos”, de “apoios a pessoas em situação de vulnerabilidade” ou de “apoios sociais às crianças e jovens estudantes”, destacou Manuel Machado, que falava aos jornalistas, em Coimbra, depois de ter participado numa reunião do Conselho Diretivo da ANMP.

Estas e outras normas “são fundamentais para apoiar as populações e as empresas a relançar a economia local”, sustentou.

A ANMP reitera, entretanto, que, “em articulação com todos os órgãos de soberania, quer participar ativamente na construção do Programa de Estabilidade Social e Económica, que o Governo está a preparar para o país”, afirmou Manuel Machado.

Desse programa deve fazer parte “um ‘Simplex’ para a contratação pública”, sublinhou o presidente da ANMP, defendendo que “só com a alteração do Código de Contratação Pública se conseguirá que o investimento público”, designadamente “o investimento municipal, chegue ao terreno” e, assim, “se comece a revitalizar a economia local” e a economia do país.

“As pessoas precisam de trabalhar, as empresas precisam de recuperar a sua atividade, os municípios precisam de fazer obras”, acrescentou.

É, por isso, necessário que “o investimento municipal possa ser feito o mais rapidamente possível”, alertou Manuel Machado, que também é presidente da Câmara de Coimbra.

Também é preciso “reduzir os prazos envolvidos no processo de contratação pública, acabar com a base de licitação” ou “reduzir a litigância pré-contratual”, exemplificou.

O presidente da ANMP reafirmou, por outro lado, a necessidade de “a Lei das Finanças Locais continuar a ser cumprida”, salientando que “os municípios são entidades cumpridoras” e “capazes de fazer os seus rolamentos e realizar a sua atividade em prol das populações, de acordo com os recursos económico-financeiros disponíveis, que, como é sabido são finitos”.

A Associação de Municípios defende igualmente a execução dos fundos europeus, destacando que, “no âmbito da reprogramação do [quadro comunitário de apoio] ‘Portugal 2020’, há ainda 300 milhões de euros para executar”.

Na sequência da pandemia de Covid-19, “há investimentos que passam de uma comparticipação de 85% para 100%”, recordou Manuel Machado, advogando a reavaliação dos “investimentos mais urgentes, no sentido de alocar as verbas disponíveis a esses investimentos”, não só para que seja possível executar mais fundos europeus, mas também para contribuir para “alavancar a economia municipal”.



Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.