Igreja chilena condenada a indemnizar vítimas de padre pedófilo

Igreja chilena condenada a indemnizar vítimas de padre pedófilo

 

Lusa/Ao online   Internacional   21 de Out de 2018, 19:50

O tribunal de recurso de Santiago do Chile reverteu uma decisão de primeira instância e condenou a Igreja chilena a pagar uma indemnização a três vítimas do padre Fernando Karadima, acusado de, durante décadas, abusar sexualmente de menores.

Segundo as vítimas, citadas hoje pela agência EFE, a Igreja deverá pagar 450 milhões de pesos (580 mil euros) a James Hamilton, Juan Carlos Cruz e José Andrés Murillo, após uma decisão unânime do tribunal.

Esta decisão reverte a que tinha sido tomada em primeira instância pelo juiz Juan Muñoz, na sequência da queixa apresentada pelas três vítimas, que foram recentemente recebidas pelo papa, no Vaticano.

As vítimas acusam o arcebispo emérito e o atual de Santiago de encobrimento dos crimes de Karadima, que o papa Francisco expulsou do sacerdócio e a justiça canónica condenou a uma vida de oração e penitência.

A justiça chilena nunca chegou a condenar Karadima, um influente pároco em Santiago, porque os crimes que lhe eram imputados estavam prescritos.

De acordo com o diario La Tercera, também citado pela EFE, a mudança da abordagem da justiça à queixa das vítimas aconteceu a partir da descoberta de uma carta em que o cardeal Francisco Javier Errázuriz, bispo emérito de Santiago, admitia que, após as denuncias, não iria interrogar Karadima para não provocar mal-estar.

“É histórico. Igreja perde e admite encobrimento, negligência e mentiras. A partir de hoje, o mundo é mais seguro”, escreveu nas redes sociais Juan Carlos Cruz, uma das vítimas de Karadima, e que vive atualmente nos Estados Unidos.

Até finais de agosto, o Ministério Público tinha em curso 119 investigações contra 167 pessoas ligadas à Igreja, envolvendo 178 vítimas, das quais 79 eram menores à data dos factos.

O papa aceitou, entretanto, a renuncia de cinco prelados chilenos, depois de, em maio, os 34 bispos do país terem apresentado a sua demissão em bloco a Francisco, reconhecendo “graves erros e omissões”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.