OE2019

Voto de congratulação do PS sobre o OE gera polémica nos Açores

Voto de congratulação do PS sobre o OE gera polémica nos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   19 de Out de 2018, 08:52

Um voto de congratulação apresentado quinta-feiea pela bancada do PS no parlamento dos Açores a propósito das transferências de verbas do Orçamento do Estado (OE) para a região, acabou envolto em polémica.

No voto, os socialistas açorianos elogiavam o aumento de transferências previstas para 2019 e a "atenção" que o Governo da República dispensou ao arquipélago dos Açores na sua proposta de OE, que irá permitir concretizar algumas obras fundamentais para a região.

"O OE2019 responde às nossas reivindicações e a matérias importantes para as nossas ilhas como, por exemplo, o Observatório do Atlântico, no Faial, o estabelecimento prisional na ilha de São Miguel, o desenvolvimento do plano de revitalização económica da Ilha Terceira (PREIT), o investimento na rede de radares meteorológicos e a consignação de receitas para o Serviço Regional de Saúde", destacou Carlos Silva, deputado socialista.

Mas o voto, aparentemente consensual, gerou polémica pelo facto de incluir um elogio, considerado exagerado", aos deputados do PS/Açores à Assembleia da República, Carlos César, Lara Martinho e João Fernando Castro, cujo trabalho realizado na preparação da proposta de OE revela "exigência, rigor e dedicação à sua terra, em prol do desenvolvimento dos Açores e de Portugal".

A maioria dos partidos da oposição com assento parlamentar na Assembleia Legislativa Regional, consideraram desadequado este elogio aos parlamentares socialistas.

Sabrina Furtado, deputada social-democrata, disse mesmo que a iniciativa do PS/Açores é uma "tentativa de instrumentalização do parlamento", acusando os socialistas de estarem já a fazer campanha eleitoral, a pensar nas legislativas nacionais.

Também Paulo Mendes, do Bloco de Esquerda, criticou o "narcisismo" do voto de congratulação do PS, afirmando que este voto seria chumbado, por exemplo, na Assembleia da República, onde os socialistas não têm maioria absoluta.

Paulo Estêvão, deputado do PPM, também criticou o voto socialista que, na sua opinião, "não dignifica o parlamento" dos Açores, afirmando mesmo que os deputados do PS "prestam um mau serviço" ao apresentarem este documento.

Opinião partilhada também por Artur Lima, líder do CDS-PP/Açores, para quem este voto não passa de uma "vergonha" para o parlamento e para os próprios socialistas.

Apenas o deputado do PCP, João Paulo Corvelo, não criticou o teor do voto socialista, limitando-se a congratular a integração na proposta de OE para 2019 de obras há muito reivindicadas pelo seu partido.

A proposta de OE para 2019 prevê um reforço das transferências para os Açores para 285,2 milhões de euros, o que traduz um aumento de 26 milhões de euros em relação ao corrente ano.

Apesar disso, o voto de congratulação do PS/Açores foi aprovado apenas com os votos favoráveis dos socialistas. O PSD, o BE e o PCP abstiveram-se e o CDS e o PPM votaram contra.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.