Valorização do euro limita subida do petróleo

Valorização do euro limita subida do petróleo

 

Lusa / AO online   Economia   9 de Nov de 2007, 09:32

A subida do euro tem limitado o agravamento do preço do petróleo nos países da Zona Euro, no último ano, com um ritmo de subida que é dois terços do sentido pelos americanos.
Olhando apenas para os preços em dólares do crude em Nova Iorque, entre 8 de Novembro de 2006 e hoje, é possível verificar que houve uma subida de 62 por cento, dos 59,83 para os 96,73 dólares.

Se se transformar esse preço em euros, à taxa de câmbio do dia, então a subida verificada foi de apenas 41 por cento, já que o euro tem estado a valorizar face ao dólar.

Nesse período, o valor da moeda única aumentou 15 por cento em relação à nota verde.

Assim, na Zona Euro o ritmo de encarecimento do petróleo foi de apenas dois terços do sentido pelos americanos.

O preço do petróleo tem batido sucessivos recordes nas últimas semanas e o limiar dos 100 dólares, considerado por muitos como inatingível, está quase a ser batido.

A justificar esta subida dos preços tem estado a recente tensão vivida na fronteira entre a Turquia e o Iraque, com esta matéria-prima a manter-se muito sensível às questões geopolíticas.

Já antes disso, foi a crescente tensão entre os Estados Unidos e o Irão a provocar o medo e ansiedade no mercado petrolífero.

O mercado tem, no entanto, de continuar a contar com a pressão da crescente procura de petróleo por parte da Rússia e da Índia, o que aumenta as preocupações relativamente à capacidade de abastecimento por parte dos países produtores de petróleo.

A Agência Internacional de Energia (AIE) prevê, num relatório divulgado na quarta-feira, que a procura aumente 55 por cento até 2030, impulsionada por estes dois países.

Essa mesma organização estima que o preço do petróleo atinja os 108 dólares o barril apenas em 2030 e encara mesmo, ao contar com um aumento de produção, um recuo aos 70 dólares por volta de 2015.

O analista do Barclays, Luís Bravo, disse à Lusa que acredita que a pressão de subida dos preços do petróleo deve continuar já que, do lado da oferta, os países fora da OPEP não devem conseguir aumentar significativamente a produção, elevando o efeito de concentração de produção na OPEP.

Ao mesmo tempo, a procura deverá registar um "crescimento robusto", o que sustentará os preços dos activos subjacentes ao petróleo em níveis elevados, acrescentou o mesmo analista.

A expectativa do Barclays aponta para que em 2008, os preços médios de referência do petróleo voltem a subir relativamente a 2007, representando o sétimo ano seguido de subida dos preços.

Por tudo isto, o Barclays acredita que o efeito do petróleo "acabará por ter impacto no crescimento das economias mais desenvolvidas e mais dependentes da matéria prima", embora a desvalorização do dólar contra o euro torne este efeito "menos nefasto" para as economias europeias.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.