Televisão do Hezbollah acusa Twitter de suspender contas por "presão política"

Televisão do Hezbollah acusa Twitter de suspender contas por "presão política"

 

AO Online/ Lusa   Internacional   3 de Nov de 2019, 11:48

O canal de televisão do movimento xiita libanês Hezbollah, Al-Manar, acusou este sábado o Twitter de ter suspendido “a maioria” das suas contas, considerando que aquela rede social parece ter “cedido às pressões políticas”.

“Conta suspensa, o Twitter suspende contas que violam as regras do Twitter”, lê-se num ‘post’ da conta @almanarnews.

O movimento xiita Hezbollah, que está representado no governo e no parlamento, é classificado como uma organização terrorista pelos Estados Unidos da América desde 1997.

"Não há espaço no Twitter para organizações terroristas ilegais e grupos extremistas violentos", disse um porta-voz da rede social sobre os motivos da suspensão, citado pela AFP.

As contas em francês, inglês e espanhol do canal de televisão foram suspensas, mas outras contas do Al-Manar continuam a funcionar sem problemas.

No seu ‘site’, o canal de televisão escreveu que “o Twitter bloqueou a maioria das contas sem aviso prévio”.

"Parece que [o Twitter] cedeu à pressão política", é ainda referido pelo canal de televisão, que acrescenta ter “quase um milhão de seguidores” naquela rede social.

A situação no Líbano está a começar a normalizar, com a diminuição dos protestos que estavam a paralisar o país desde 17 de outubro e a reabertura das principais estradas do país, dos bancos e de lojas.

Na quinta-feira, o Presidente do Líbano, Michel Aoun, apelou à formação de um Governo "produtivo" composto por ministros escolhidos pelas suas "competências", após duas semanas de protestos contra o poder, acusado de corrupção e incompetência.

As declarações do chefe de Estado ocorreram dois dias após o primeiro-ministro, Saad Hariri, ter renunciado ao cargo, não resistindo à onda de protestos contra o seu Governo.

Os manifestantes exigiam a renúncia do Governo e com fortes críticas à classe política que dirige o país desde a guerra civil de 1975-1990.

A renúncia de Saad Hariri ainda não foi formalmente aceite pelo Presidente do Líbano, Michel Aoun, que pode decidir – pelo menos temporariamente – que o primeiro-ministro se mantenha em funções num Governo provisório para gestão dos assuntos correntes.

O frágil equilíbrio de poder no Líbano decorre dos acordos saídos da guerra civil, em que o primeiro-ministro deverá ser um muçulmano sunita, o presidente do parlamento um xiita e o Presidente da República um cristão-maronita.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.