Açoriano Oriental
Mau Tempo
Retirados100 animais do canil de Coimbra, 60 acolhidos por famílias

A Câmara de Coimbra retirou mais de uma centena de animais do canil municipal, “por força da subida do caudal do rio Mondego”, dos quais mais de foram recolhidos para famílias de acolhimento.

Retirados100 animais do canil de Coimbra, 60 acolhidos por famílias

Autor: AO Online/ Lusa

“Por força da subida do caudal" do Mondego, a Câmara de Coimbra evacuou, no sábado, o canil municipal, “transportando mais de uma centena de animais” para os armazéns do antigo quartel militar do Centro de Instrução de Condução Auto (CICA 4), anunciou hoje a autarquia numa nota enviada à agência Lusa.

"Foi providenciada alimentação, luz, água e assistência médico-veterinária” para os animais recolhidos nos antigos armazéns militares, que se situam junto ao Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, em Coimbra, com entrada contígua à igreja de Nossa Senhora da Esperança.

Durante sábado e hoje, “mais de seis dezenas de animais foram entregues a famílias de acolhimento que se disponibilizaram para acolher os canídeos neste período crítico”, salienta a Câmara, presidida por Manuel Machado.

"Às pessoas e a todos os voluntários", a autarquia "agradece por se terem disponibilizado de imediato de forma bondosa e abnegada, contribuindo para ajudar a debelar os problemas decorrentes das cheias do Mondego”.

A Câmara de Coimbra recorda, entretanto, que “todas as famílias de acolhimento que queiram efetivar a adoção dos canídeos, até 07 de janeiro de 2020”, estão isentas das “taxas relativas ao processo de esterilização e desparasitação, identificação eletrónica e vacinação antirrábica, no valor de 30,75€ (IVA incluído), de acordo com as tarifas em vigor”.

Em Soure, vila vizinha de Coimbra, a Câmara Municipal também decidiu, no sábado, evacuar o canil municipal, por precaução, igualmente na sequência do mau tempo e consequente subida do nível da água no rio Ega, afluente do Mondego.

De acordo com o presidente do município, Mário Jorge Nunes, os responsáveis locais estavam preocupados com eventuais roturas dos diques do Mondego, que podem provocar aumento rápido do caudal daquele rio, que é um afluente da margem esquerda do Mondego.

A evacuação do canil da Associação SourePatas foi feita com a ajuda do clube de caçadores, bombeiros e mergulhadores dos bombeiros de Vieira de Leiria.

Por outro lado, neste concelho, foram retiradas das suas casas 12 pessoas, “duas delas obrigatoriamente e as restantes 10 por precaução”, disse então, à agência Lusa, o autarca.

Os fortes efeitos do mau tempo, que se fizeram sentir desde quarta-feira, já provocaram dois mortos, um desaparecido, deixaram 144 pessoas desalojadas e 320 pessoas deslocadas por precaução, registando-se mais de 11.200 ocorrências no continente português, na maioria inundações e quedas de árvore.

Só no sábado, registaram-se mais de 1.700 ocorrências.

O mau tempo provocado pela depressão Elsa, entre quarta e sexta-feira, a que se juntou no sábado o impacto da depressão Fabien, provocou também condicionamentos na circulação rodoviária, bem como danos na rede elétrica, afetando a distribuição de energia a milhares de pessoas, em especial na região Centro.



 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.