Nacional

Reformas estruturais terão quatro pilares em 2012 para combater "praga" do desemprego

Reformas estruturais terão quatro pilares em 2012 para combater "praga" do desemprego

 

LUSA/AOnline   Nacional   18 de Dez de 2011, 12:24

O Governo definiu hoje os quatro principais pilares das reformas estruturais a realizar em 2012, que passam pelo reforço da concorrência e da competitividade, articulação entre Estado e economia, valorização do capital humano e confiança.

As linhas básicas da ação do executivo PSD/CDS foram apresentadas pelo ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, a meio de um Conselho de Ministros informal, que está a decorrer no Forte de São Julião da Barra.

"O Governo está a fazer a avaliação das reformas estruturais que Portugal necessita que sejam levadas a cabo para que possamos criar condições em termos de competitividade", declarou Miguel Relvas.

Em relação ao próximo ano, o ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares considerou também prioritário o reforça da "articulação entre o Estado e a economia e a criação de mecanismos de confiança que permitam que a economia portuguesa cresça".

Depois, Miguel Relvas fez uma referência aos maiores problemas que ainda enfrenta a sociedade portuguesa.

Por via das reformas estruturais, "pensamos ser possível combater a maior praga com que a economia portuguesa está confrontada, que é o desemprego", disse, antes de se referir aos objetivos políticos inerentes ao Conselho de Ministros extraordinário.

"Estamos num Conselho de Ministros de trabalho, sem conclusões e que visa a preparação de um ano de 2012 que vai ser extraordinariamente difícil. Mas, com as reformas estruturais que vamos necessariamente implementar, esperamos ultrapassar as dificuldades nos próximos anos, tendo sempre como grande objetivo pôr a economia portuguesa a crescer e combater o desemprego", acentuou o membro do Governo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.