Reclamações de clientes bancários aumentam 7% nos primeiros seis meses do ano

Reclamações de clientes bancários aumentam 7% nos primeiros seis meses do ano

 

Lusa/AO online   Economia   25 de Out de 2012, 16:37

As reclamações de clientes junto do Banco de Portugal (BdP) sobre as instituições financeiras aumentaram 7% nos primeiros seis meses do ano relativamente a 2011, segundo a síntese de supervisão comportamental publicada esta quinta-feira.

A síntese, que apresenta a atividade de fiscalização desenvolvida pelo Banco de Portugal de janeiro a junho deste ano, refere que o supervisor recebeu 7.875 reclamações de clientes bancários sobre sobre matérias no âmbito das suas competências, representando um aumento de 7% face à média mensal de 2011.

O BdP adianta que, no mesmo período, o número de reclamações remetidas diretamente ao supervisor aumentou 13%, enquanto o número de reclamações através do Livro de Reclamações das instituições de crédito aumentou 2%.

O documento refere que as matérias mais reclamadas "dizem respeito a contas de depósito, crédito aos consumidores e crédito à habitação, que representam, em conjunto, cerca de 67% das reclamações recebidas".

O Banco de Portugal indica também que em cerca de 44% dos processos de reclamações encerradas no primeiro semestre "não encontrou indícios de infração por parte das instituições de crédito", sendo que cerca de 56% dos casos foram resolvidos pelos bancos por sua iniciativa ou advertência e determinação específica do supervisor.

Em termos de preçários, o Banco de Portugal realizou 776 ações de inspeção a 118 entidades, exigindo correção em 149 casos de irregularidades nos preçários de 57 instituições.

A síntese refere também que os preçários divulgados no Portal do Cliente Bancário sofreram 231 alterações realizadas por 65 instituições, "na sequência da alteração de comissões praticadas ou devido ao lançamento, revisão ou extinção de produtos e serviços comercializados por iniciativa das instituições financeiras.

Em termos de publicidade, o supervisor analisou 2.368 campanhas de 56 instituições, exigindo a alteração de 51 campanhas de 23 instituições financeiras.

Os incumprimentos encontrados pelo BdP foram "dissimulação ou omissão de informação necessária para avaliara as características dos produtos, nomeadamente as condições de acesso ou restrições às referidas características e não indicação da TAEG (Taxa Anual Efetiva Global)".

A fiscalização do BdP é exercida através de ações de inspeção, à distância, nos balcões, sob a forma de 'cliente mistério' ou credenciada, e serviços centrais das instituições de crédito, além da análise de reclamações dos clientes bancários.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.