União Europeia

Políticas contra o álcool devem ser dirigidas aos cidadãos que abusam


 

Lusa/AO Online   Internacional   10 de Nov de 2009, 05:17

A Associação de Cervejeiras da Europa reclamou hoje, junto da União Europeia (UE), o facto de as políticas contra o consumo de álcool serem dirigidas à população em geral, independentemente do seu comportamento, e não aos cidadãos "que abusam".

As indústrias cervejeiras organizaram esta petição, através de um comunicado, numa altura em que a UE está a rever a sua estratégia para reduzir os efeitos do álcool na saúde, um assunto que será discutido no início de Dezembro pelos ministros da Saúde dos 27.

O português Alberto da Ponte, presidente da Associação de Cervejeiras da Europa, afirmou que os fabricantes "vão pedir aos ministros para que resistam à pressão de alguns países (sobretudo os do Norte da Europa) para endurecer as leis sobre o álcool, restringir a sua comercialização e aumentar os preços".

"Devemos focar os nossos esforços (de prevenção do consumo de álcool) nos segmentos da população que abusam ou correm o risco de abusar das bebidas alcoólicas", acrescentou o empresário português, presidente da Sociedade Central de Cervejas.

Alberto da Ponte considerou ainda que "não há evidências de que as medidas simples dirigidas a toda a população sejam eficazes na hora de reduzir o excesso de consumo de álcool", acrescentando que 90 por cento dos consumidores de álcool bebem de forma responsável.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.