"Política de privatizações incentivada pela União Europeia prejudica os Açores"

"Política de privatizações incentivada pela União Europeia prejudica os Açores"

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   7 de Mai de 2019, 11:21

A candidata dos Açores do Bloco de Esquerda às eleições Europeias, Alexandra Manes, critica as políticas de incentivo às privatizações de infraestruturas estratégicas que está a ser seguida pela União Europeia.

A candidata, que falava à comunicação social, após uma reunião com a direção do Clube Naval da Horta, critica ainda o Governo Regional por estar a “seguir esta linha no que diz respeito aos portos da Região, ao prever a sua concessão a privados por períodos de 75 anos”.


“Só se privatiza aquilo que dá lucro, portanto com a concessão dos portos a privados a Região vai ficar a perder”, disse Alexandra Manes, citada em comunicado.


A candidata considera que esta política “neoliberal de privatizar infraestruturas e serviços públicos essenciais é uma grande irresponsabilidade”.


O Bloco de Esquerda quer ter mais força no Parlamento Europeu para combater este tipo de políticas que “prejudicam as pessoas, e beneficiam os grandes grupos económicos”.


Salientando a importância económica e social que os portos assumem numa região arquipelágica e ultraperiférica, como os Açores, Alexandra Manes lamentou a forma “desastrosa como o Governo Regional está a conduzir o processo das obras no porto da Horta, que é financiada por fundos comunitários”.


O projeto inicial não foi cumprido e acabou por ser alterado “por razões puramente economicistas”, acabando a obra por ser mal executada.


“Para remediar o problema, têm sido apresentados projetos atrás de projetos, os quais têm sido amplamente contestados por quem utiliza o porto”, disse a candidata.


O BE considera que é fundamental ouvir as entidades que têm conhecimento profundo sobre o porto da Horta, entres as quais o Clube Naval da Horta, e defende que “antes de se avançar para a concretização de quaisquer obras, devem ser realizados ensaios em laboratório em modelo reduzido, e não apenas modelos matemáticos, para evitar a repetição de erros do passado”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.