Pastoral da saúde inicia debate sobre doação de orgãos


 

Lusa/AO On line   Nacional   30 de Nov de 2009, 05:20

A Comissão Nacional da Pastoral da Saúde inicia hoje, pela primeira vez, um encontro sobre transplante de órgãos, do qual deverá sair a sugestão de que todas as paróquias tenham um grupo de doadores de sangue e de órgãos.

"Conseguir que as paróquias contribuam para a dádiva de sangue é ter a solução para muitos problemas", disse à Lusa o coordenador da comissão, padre Feytor Pinto, adiantando que também é possível haver grupos doadores de órgãos nas comunidades paroquiais.

Para o coordenador da Comissão Nacional da Pastoral da Saúde, a dádiva de órgãos é "um desafio muito forte à verdadeira solidariedade". Feytor Pinto considerou também que "a doação é um problema profundamente cristão".

É a primeira vez que a Comissão Nacional da Pastoral da Saúde promove um encontro sobre o transplante de órgãos, o que leva Feytor Pinto a salientar que "é um momento de grande viragem no trabalho" da comissão.

"A tentação de uma organização que se inspira na religião é fazer apenas trabalho na área da espiritualidade, nós vamos pegar num problema humano", justificou.

Segundo o mesmo responsável, na cultura portuguesa houve durante algum tempo uma certa recusa na dádiva de órgãos.

Apesar de esta situação estar a mudar, a recusa ainda persiste. Daí a Pastoral da Saúde querer contrariar esta tendência.

"A igreja, através da Pastoral da Saúde, preocupa-se com a qualidade de vida e saúde das pessoas, por isso quer fomentar a doação de órgãos para dar mais vida", adiantou.

O padre Feytor Pinto disse ainda que a pastoral da saúde vai colocar a questão do transplante como uma forma de salvar vidas e tornar as pessoas sensíveis a este problema.

A história da transplantação e os seus resultados, a dificuldade de encontrar doadores de órgãos, as formas de doação e o Registo Nacional de não Dadores (RENNDA) são alguns dos temas em debate no encontro, que se prolonga até quinta-feira.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.