Mota Amaral critica República


 

Lusa/AO online   Regional   28 de Set de 2007, 16:56

A Assembleia da República lembrou quinta-feira  a erupção do Vulcão dos Capelinhos, que aconteceu há 50 anos, e aprovou um voto de solidariedade para com os esforços dos açorianos para ultrapassar as catástrofes naturais.
    “Com casas e campos literalmente esmagados por um manto de cinza de vários metros de espessura, para muitas famílias só ficou aberto o caminho da emigração, tendo sido generosamente acolhidas na América”, refere o voto aprovado por unanimidade.
Antes, o deputado do PSD e ex-presidente do Governo Regional, Mota Amaral, fez uma declaração política para “evocar a grande catástrofe”, que disse estar no pensamento de todos os açorianos, onde quer que estejam.  “As medidas concretas do Governo da época, tendo em vista a reconstrução dos estragos materiais, tardaram em chegar”, afirmou Mota Amaral.
    “Valeu-nos a solidariedade dos Estados Unidos da América”, que abriu “uma quota especial de imigração para os sinistrados do Vulcão dos Capelinhos”, acrescentou.
O ex-presidente da Assembleia da República sustentou que “a lentidão da resposta pública à reconstrução dos estragos repetiu-se na crise sísmica de 1963, que atingiu as ilhas de São Jorge e do Pico”.
Mota Amaral alegou que a resposta das instituições autónomas democráticas foi diferente face ao terramoto de 1980 - altura em que presidia ao Governo Regional dos Açores -, “vindo a ser um caso de estudo de eficácia e de sucesso”.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.