Alemanha

Mais de 100 marcas da ex-RDA sobreviveram ao socialismo


 

Lusa/AO Online   Internacional   10 de Dez de 2009, 15:25

Na extinta Alemanha de Leste (RDA) existiam cerca de 700 marcas comerciais, e 120 sobreviveram ao socialismo, segundo um estudo da Sociedade de Pesquisa Empírica de Hamburgo divulgado hoje.

Logo após a queda do Muro de Berlim, em 1989, os alemães de leste estavam fartos do espumante Rotkaepchen, dos cigarros F-6 ou do creme Florena e firmemente dispostos a trocá-los pelos cigarros Marlboro ou pelo creme Nívea.

Vinte anos depois, no entanto, quase 20 por cento dos antigos produtos da RDA continuam nas prateleiras das lojas e supermercados, vendem-se bem e alguns até são um verdadeiro culto.

Para os autores do estudo, realizado com base em entrevistas em mais de 70 empresas, o sucesso das marcas que restam deve-se em grande parte ao facto de serem conhecidas no leste do país e também à confiança que os consumidores nelas depositam.

Num inquérito entre consumidores realizado pela mesma instituição, 54,3 por cento disseram preferir as marcas leste-alemãs pela sua qualidade, 30,9 por cento consideraram a inovação o factor de sucesso das mesmas e 17,3 por cento justificaram a sua preferência com a continuidade ou fidelidade ao produto em questão.

As marcas preferidas pelo seu esforço de inovação conseguiram aumentar as vendas, enquanto as que baseiam o seu sucesso no facto de já serem muito conhecidas nos tempos da RDA têm estagnado, refere ainda o estudo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.