Liga Portuguesa Contra o Cancro inicia esta quinta-feira peditório nacional

Liga Portuguesa Contra o Cancro inicia 
esta quinta-feira peditório nacional

 

Lusa/AO Online   Nacional   31 de Out de 2013, 06:31

Mais de 30 mil voluntários iniciam esta quinta-feira o peditório nacional da Liga Portuguesa Contra o Cancro, uma das principais fontes de financiamento do trabalho realizado pela instituição no apoio ao doente e à investigação, segundo a LPCC.

 

“Esta é uma das ações mais importantes” da Liga, que permite “angariar fundos para desenvolver e continuar com o trabalho que tem vindo a realizar”, disse o presidente da instituição, Francisco Cavaleiro de Ferreira.

Em 2012, o peditório nacional da Liga angariou 1,560 milhões de euros, enquanto no ano anterior tinha obtido 1,600 milhões euros, menos 2,5%, segundo dados avançados à agência Lusa.

O valor angariado destina-se a financiar ações de apoio ao doente, iniciativas de prevenção primária e secundária do cancro e apoio à formação e investigação em oncologia

Francisco Cavaleiro de Ferreira adiantou à Lusa que “a Liga tem como perspetiva alcançar os mesmos resultados que no ano passado”.

Contudo, ressalvou, “o peditório não é apenas a recolha de fundos, que é essencial para a atividade da Liga, mas é também uma manifestação de envolvimento das pessoas na causa. Daí ter uma importância muito grande para nós”.

O presidente da Liga considerou “impressionante” a “capacidade que os portugueses têm de dar” e enalteceu este gesto: “As nossas receitas têm-se mantido em termos de peditório e, apesar das dificuldades que o povo português tem vindo a sofrer, ainda é capaz de estar disponível para ajudar os outros”.

Apesar da LPCC ser “muito conhecida” pelo programa de rastreio do cancro da mama e pelo peditório, tem uma ação “muito mais abrangente” assente em quatro eixos estratégicos”: Apoio ao doente, prevenção primária, prevenção secundária e apoio à investigação científica, em que a instituição investe cerca de 500 mil euros por ano.

“As nossas receitas correspondem a um trabalho que é feito nestas quatro áreas principais”, explicou o responsável.

Por isso, “o peditório é fundamental porque as nossas receitas vêm do povo português, da contribuição que as pessoas dão”, comentou.

Além do peditório nacional, a Liga Portuguesa Contra o Cancro tem mais duas fontes de receita: a contribuição dada pelas pessoas através da consignação de 0,5% na declaração do IRS e os donativos e legados que a instituição recebe durante o ano.

“Estes três meios de angariação de fundos são muito importantes para nós, sendo que o peditório é o que tem a maior importância”, observou.

O presidente da instituição apelou às pessoas para que colaborem no peditório, que termina no domingo, “com aquilo que podem e querem, mas acima de tudo que se envolvam na causa”.

“O envolvimento das pessoas é tão importante como aquilo que nós recebemos e, portanto, contra o cancro todos somos pouco e agradecemos a colaboração de todos”, rematou.

Para reforçar a importância do peditório, a LPCC criou a campanha de sensibilização “Contra o Cancro Todo Contam”, que conta com a participação de diversas figuras públicas, entre elas, Cláudia Vieira, Paulo Pires, Mariza, Núria Madruga, André Villas-Boas e Tiago Monteiro.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.