Indústria de cruzeiros movimenta cerca de 15 milhões passageiros por ano a nivel mundial


 

Lusa / AO online   Economia   17 de Out de 2009, 13:22

A indústria de cruzeiros movimenta cerca de 15 milhões de passageiros por ano a nível mundial, dos quais 10 milhões da América do Norte e 5 milhões da Europa, segundo dados avançados à Lusa pela Royal Caribbean Cruises.

No mercado norte-americano quase 3 por cento da população faz cruzeiros, enquanto na Europa a taxa ronda os 1,3 a 1,5 por cento, mas as previsões são as de que a taxa de penetração na Europa suba para os 2,0 por cento.

Nos últimos anos, a taxa de crescimento na Europa ronda os 15 por cento, tratando-se de um mercado emergente, enquanto que na América do Norte ronda os 1,5 por cento, sendo já um mercado maduro.

A previsão para a Europa é a de que em 2020 se atinjam os 10 milhões de passageiros.

Os dados avançados pelo plano estratégico do turismo nacional, em 2007, referem que a Europa tinha nesse ano uma quota de mercado mundial de 21 por cento, com 2,8 milhões de viagens por ano, sendo esperados 6,6 milhões de passageiros em 2015.

Em Portugal, o plano estratégico refere que o turismo náutico - que agrega os cruzeiros, os iates e o segmento marítimo-desportivo - representa 1,2 por cento das motivações dos turistas.

As regiões prioritárias para os investimentos de turismo náutico são, segundo o plano estratégico, Lisboa e o Algarve e, em menor grau, as ilhas da Madeira e dos Açores.

Actualmente, Lisboa é o sexto porto ibérico, com 5,2 por cento de quota de passageiros, tendo movimentado 194.634 passageiros nos primeiros sete meses do ano.

No mesmo período, a Madeira registou um movimento de 211.143 passageiros.

No total, Portugal movimentou de Janeiro a Julho deste ano 463.252 turistas, um crescimento de 5,4 por cento face a igual período do ano passado.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.