Diabetes

Hospitais de Coimbra desenvolvem projeto para a diabetes

Hospitais de Coimbra desenvolvem projeto 
para a diabetes

 

Lusa/AO online   Nacional   13 de Nov de 2012, 15:46

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) está a desenvolver um projeto, envolvendo todos os seus serviços, para tratar a diabetes, doença crónica que afeta mais de um milhão de portugueses.

 

O projeto visa essencialmente “unificar os modos de tratar a diabetes” e promover a integração desse tratamento em todos os serviços das unidades hospitalares do CHUC e centros de saúde da região, disse hoje Margarida Bastos, coordenadora da equipa multidisciplinar, criada para a criação e execução deste do plano.

“A nossa ação é integrar todas as unidades com uma maneira semelhante de tratar, com qualidade, a diabetes”, sintetizou a médica, que falava hoje numa conferência de imprensa, promovida no âmbito das iniciativas deste Centro para assinalar o Dia Mundial da Diabetes (14 de novembro).

Transversal a todas as doenças, “a diabetes tem, assim, doentes em todos os serviços” e exige que “todo o hospital esteja envolvido”, pois estes doentes requerem tratamentos específicos, sublinha Margarida Bastos.

“O desafio que se coloca, neste momento, é dar a todos os profissionais formação sobre o “reconhecimento do doente quando aqui entra”, pois se se tratar de um diabético é necessária “uma reação imediata”, salienta a médica.

Está previsto, numa fase posterior, o estudo dos resultados da metodologia.

Na prática, a equipa multidisciplinar coordenada por Margarida Bastos (Grupo de Trabalho do Programa Nacional de Controlo da Diabetes) está a executar o Plano Nacional para a Diabetes (PND) que “tem vindo a aumentar a nível mundial e se tornou um desafio para a sociedade e para os sistemas de saúde”.

Em Portugal, afirma a médica, “a diabetes foi responsável por cerca de cinco mil mortes” em 2010, atingiu mais de 12% da população no ano seguinte e a sua prevalência ronda os 27% na população com mais de 60 anos.

O CHUC, resultado da fusão dos Hospitais da Universidade de Coimbra, Centro Hospitalar de Coimbra e Centro Hospitalar Psiquiátrico de Coimbra, “foi o primeiro” a levar à prática o PND e a “perceber que tem de ter um grupo multidisciplinar, que traduza a abrangência de uma equipa para a diabetes”, afirma Margarida Bastos.

A formação será dada a dois elementos de cada serviço (um médico e um enfermeiro), implicando, no total, 116 pessoas, que, por sua vez “divulgarão essa informação” junto dos profissionais dos seus respetivos serviços, distribuídos por dois hospitais centrais, três hospitais psiquiátricos, duas maternidades e um hospital pediátrico.

O tratamento e prevenção da diabetes (cerca de 90% dos doentes são atingidos pela diabetes do tipo 2, associada, muitas vezes, ao mau estilo de vida e que tem prevenção) exige, no entanto, outras ações.

“A especialização de enfermeira educadora para a doença crónica – que não é só a diabetes – não é reconhecida nem pelas instituições, nem pelas escolas de enfermagem”, exemplifica Margaridas Bastos, defendendo a necessidade desta especialidade ser criada nas escolas de enfermagem.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.