Histórias do Rallye

Horácio Franco e o rebanho de cabras nas Gramas

Horácio Franco e o rebanho de cabras nas Gramas

 

Rui Jorge Cabral   Motores   18 de Mar de 2019, 09:16

A história do já falecido piloto micaelense e do seu encontro imediato com um rebanho quando treinava no troço Gramas/Santa Iria

Horácio tinha as suas carrinhas de assistência e pessoas a ‘fechar’ o troço, para poder andar à vontade mas, a dada altura e à saída de uma curva longa, feita em quarta velocidade, apanha com um rebanho de cabras e o embate foi inevitável.

Para além dos estragos na frente do Mazda 323 4WD, Horácio Franco matou algumas cabras neste acidente e foi muito preocupado ter com o dono do rebanho a dizer que pagava o prejuízo, ao que ele, sem dentes na boca e com uma pronúncia quase impercetível, mesmo entre micaelenses, só dizia: “a Braganina, a Braganina”... Que Horácio Franco veio a descobrir que era a melhor cabra de leite do rebanho e que, milagrosamente, não tinha sido apanhada pelo carro. “Do rebanho todo, a Braganina era a única com que ele se preocupava”, recorda Horácio Franco.

O dono do rebanho aceitou calmamente a compensação financeira pelas cabras mortas e já estava a pensar no que ia fazer com a carne, quando Horácio Franco lhe perguntou: “O senhor não sabia que nós estávamos aqui a treinar”, ao que ele, desconhecedor dos ralis, respondeu, “eu sabia que o senhor estava aqui nas corridas e eu queria passar as cabras de um lado para o outro do caminho, só que o senhor passou para ali e, de repente, já estava aqui outra vez”... Horácio Franco remata esta história afirmando que, feitas as contas, “ele ainda fez um excelente negócio e eu é que tive um prejuízo sério”.

texto publicado originalmente no Guia do Rallye 2017




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.