Governo propõe transferência de jovens da Casa do Gaiato


 

Paula Gouveia   Regional   2 de Dez de 2008, 11:15

O Executivo açoriano pretende ceder as antigas residências universitárias de Ponta Delgada à Casa do Gaiato, para que os jovens que estão na casa das Capelas sejam transferidos para Ponta Delgada. Direcção da instituição ainda está a avaliar proposta do Governo
O Governo Regional pretende ceder à Obra do Padre Américo - Casa do Gaiato dois prédios urbanos em Ponta Delgada para a instalação de uma valência da instituição.
Os imóveis, situados na Rua Monsenhor José Baptista Ferreira, em Ponta Delgada, foram utilizados até há pouco tempo, enquanto estiveram cedidos à Universidade dos Açores, como residências de estudantes. Neste momento, estão desocupados e a Região não tem necessidade de utilizá-los.
Segundo Resolução do Governo Regional, publicada em Jornal Oficial, foi o Instituto de Acção Social que solicitou a cedência dos referidos imóveis ao Lar de Infância e Juventude da Obra do Padre Américo – Casa do Gaiato de São Miguel. A ideia, refere ainda o Executivo, é “proporcionar às crianças e jovens que nele residem o acesso aos recursos educativos, culturais, desportivos e recreativos necessários ao desenvolvimento e integração social daquelas crianças e jovens e que actualmente não é possível em virtude do Lar de Infância e Juventude da Obra do Padre Américo – Casa do Gaiato de São Miguel ficar situado nas Capelas”.
Confrontado com esta decisão do Executivo açoriano, o padre Fernando Teixeira, responsável pela Obra do Padre Américo - Casa do Gaiato de São Miguel, salvaguarda que a instituição ainda não tomou uma decisão final e está a avaliar a transferência proposta. Como sublinha o responsável, “ainda não está nada protocolado”, até porque está-se perante “uma decisão diocesana e o bispo terá de dar o seu parecer”.
Padre Fernando explica que a ideia surgiu quando o Ministério da Justiça mostrou interesse em instalar na propriedade da Casa do Gaiato, nas Capelas, duas novas valências - uma escola de socialização e um espaço para jovens delinquentes - que deveriam ser geridas pela Obra do Padre Américo. Em contrapartida, os jovens que actualmente fazem uso das instalações seriam transferidos para dois imóveis, propriedade da Região, situados em Ponta Delgada. E a Casa do Gaiato de São Miguel ficaria responsável pela conservação e manutenção dos prédios.
A instituição, apesar de reconhecer vantagens na transferência para o centro urbano, aponta também desvantagens na saída das Capelas. Em primeiro lugar, é relevante o facto dos dois imóveis que a Região pretende ceder necessitarem de obras de reabilitação e adaptação. Como refere o padre Fernando, é necessário criar um refeitório, cozinha, gabinetes, espaço para receber familiares, um espaço para os serviços administrativos, roupeiros para funcionários (”que são muitos porque a casa funciona 24 horas por dia”), gabinete para monitores, arquivo, e despensa, entre outras intervenções.
“Passar deste espaço livre e grande para um espaço muito mais pequeno é uma desvantagem”, sublinha. Mas há vantagens, repara o responsável. “Desde logo, o contacto com outros jovens e com a sociedade em geral que fica facilitado. Até porque há jovens que se sentem estigmatizados porque estão na Casa do Gaiato”, lembra.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.