Açoriano Oriental
Furacão Lorenzo
Furacões perdem intensidade na região devido a temperatura e vento

Os furações têm a tendência a perder energia e transformarem-se em tempestades tropicais quando se aproximam dos Açores devido à “diminuição significativa” da temperatura da água do mar e ao vento, segundo a meteorologista Vanda Costa.

article.title

Foto: LUSA/Inácio Rosa
Autor: Lusa/AO Online

“Por norma, o que acontece é que quando os furacões se dirigem a esta zona do Atlântico Norte, tendo em conta que a temperatura da água do mar diminui significativamente e os ventos em altitude atuam em sentido contrário ao furacão, a tendência é para irem diminuindo de intensidade, o que está a acontecer com o ‘Lorenzo’”, afirmou hoje à agência Lusa a meteorologista.

A especialista recordou que o furação “Lorenzo” já atingiu a categoria 5 (a máxima) da escala de Saffir-Simpson, estando neste momento com categoria 2, sendo a tendência “ir perdendo a intensidade consoante se aproxima do arquipélago”.

Vanda Costa salvaguardou, contudo, que este furacão é “bastante forte”, registando “bastante atividade”. Há a “possibilidade muito pequena de passar nos Açores já como tempestade tropical”, devendo passar com categoria 1.

A passagem deste tipo de fenómeno, sublinhou, “não é inédita” nos Açores, sendo justamente “mais provável” de acontecer em setembro e outubro.

Apesar de “não serem recorrentes” nos Açores, estes fenómenos “não são anormais”, segundo a meteorologista, não sendo fácil quantificar o número de furacões que passam no arquipélago.

Vanda Costa referiu que este não é, “de todo”, o furacão com maior intensidade que irá passar nos Açores, mas “é um dos mais intensos”, recordando o recente furacão de categoria 3, o “Ofélia”, que passou ao largo da ilha de Santa Maria.

“A diferença a que estamos a assistir é que não é o número de furacões que tem aumentado com a influência das alterações climáticas, mas a intensidade com que chegam à região”, explicou.

O furacão “Lorenzo”, que hoje passou à categoria 2, encontrava-se de manhã a aproximadamente 1.800 quilómetros a sudoeste dos Açores, mas está prevista uma “diminuição da intensidade nos próximos dias”.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.