Açoriano Oriental
Covid-19
CEP admite não celebrar Missa do Galo para proteger vidas

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa admitiu este sábado, em Fátima, suspender a realização da tradicional Missa do Galo, no Natal, se os números da pandemia de covid-19 continuarem preocupantes, para proteger vidas.

CEP admite não celebrar Missa do Galo para proteger vidas

Autor: AO Online/ Lusa

José Ornelas disse aguardar pela evolução do número de infetados pelo SARS-CoV-2, mas admitiu suspender a missa. “Se for necessário, para defender a vida, vamos fazê-lo”, disse na conferência de imprensa de encerramento da Assembleia Plenária da CEP, referindo-se à celebração da Missa do Galo.

“Não brincamos com a saúde das pessoas. Iremos resolver os problemas com os mesmos princípios, com as mesmas preocupações, mas também com o mesmo sentido de equilíbrio, para não morrermos nem do vírus nem da sua cura”, sublinhou.

Segundo o também bispo de Setúbal, a igreja tem “normas muito claras que foram acertadas com a Direção-Geral da Saúde, até ao pormenor” e tudo tem feito para garantir a segurança nas celebrações.

“Não posso assegurar que não vai haver algum contágio, pois a maioria das pessoas infetadas são assintomáticas, mas é muito mais fácil contagiarmo-nos no supermercado ou no restaurante do que nas igrejas, até pela natureza da comunidade que se junta, a forma como está e o que faz”, afirmou José Ornelas.

A principal preocupação para o presidente da CEP são os contágios em casa. “Não é mal celebrar em casa, mas não pode ser a grande família. Quem é que não gostaria de estar em casa com a grande família, todos juntos? Mas, para que os nossos avós cheguem ao próximo natal, se calhar, é necessário que neste Natal não estejamos juntos, porquanto isso seja triste e desolador”, acrescentou.

José Ornelas não tem dúvidas de que “se for necessário contenção”, a igreja irá tê-la e apontou a troca de mensagens através de aplicações de internet como forma de “amenizar aquilo que não for possível realizar presencialmente”.

O presidente da CEP considerou ainda que as “sacudidelas” desta pandemia “são ocasiões de pensar muito as maneiras de viver”.

“Não estou a dizer que causámos esta pandemia, mas temos de pensar que preparação é que tínhamos para responder a desafios destes? O que tínhamos investido nos meios de saúde e na capacidade que temos de organizar a nossa vida”, questionou, lembrando que agora é necessário “tentar equilibrar todos os aspetos da vida entre economia, estar em casa, cuidar-se, cuidar do ambiente e deste planeta”.

José Ornelas lamentou que a pandemia tenha mostrado todo o tipo de atitudes. “Temos visto gente com abnegação total, que renuncia a si própria e à família e temos visto correntes de solidariedade muito tocantes, mesmo em termos da sociedade civil. Mas, também temos visto uma utilização e manipulação de tudo isto, uma linguagem negacionista e populista”, afirmou.

O bispo destacou ainda os “passos que a Europa tem dado no sentido dessa solidariedade, quando se diz que quando chegarem as vacinas não são só para quem tem poder de pagar”.

“Dizer-se que temos de trabalhar mais em conjunto e também usar a fragilidade dos outros para obter proveitos próprios, seja a nível político, estratégico ou militar é a maior vergonha da humanidade. Espero que esta seja uma ocasião para pensar um mundo melhor”, concluiu.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.305.039 mortos resultantes de mais de 53,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.305 pessoas dos 211.266 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.