Campanha sobre impacto da crise na vida das mulheres vai dar a conhecer casos específicos dos Açores

Carregando o video...

 

Lusa/AOonline   Regional   4 de Out de 2012, 15:14

A campanha sobre o impacto da crise na vida das mulheres, hoje lançada em diferentes países da União Europeia, vai recolher, em outubro, nos Açores, testemunhos de mulheres para dar visibilidade a situações específicas em alguns setores de trabalho.

"Vamos começar a recolher depoimentos vídeo e áudio sobre o impacto da crise e a 17 de outubro vamos apresentar os primeiros testemunhos", revelou Judite Fernandes, da Associação Para Igualdade e Direitos das Mulheres (UMAR) nos Açores e da Marcha Mundial das Mulheres, que lança a campanha contra a austeridade sobre o impacto da crise na vida das mulheres.

A campanha foi hoje apresentada em simultâneo em diferentes cidades da Europa, incluindo os Açores, em Ponta Delgada. Numa conferência de imprensa, Judite Fernandes referiu que a primeira ação da campanha nos Açores será "a apresentação dos vídeos e áudios com testemunhos de mulheres", acrescentando que “em Portugal vão decorrer ações, em outubro, em quatro regiões, caso de Lisboa, Coimbra, Porto e Açores”.

Segundo a responsável, além do lançamento hoje da campanha a nível europeu foram coordenadas mais três datas, nomeadamente os dias 17 de outubro com ações em torno da erradicação da pobreza, da banca e do sistema financeiro, outra no dia 10 de dezembro (Dia Internacional dos Direitos Humanos) com 24 horas de ação feminista à volta do mundo focada na saúde, nos direitos sexuais e reprodutivos, encerrando a campanha a 08 de março de 2013.

Judite Fernandes sublinhou que a iniciativa constitui "um ponto de partida para que as reivindicações das mulheres sejam ouvidas", já que são "aquelas que mais estão a sentir o efeito da crise, quer pela redução do poder de compra, ora pelo desemprego ou pela situação precária no trabalho".

"A crise está a impactar a vida da mulher por toda a Europa. As mulheres ganham menos que os homens, mas têm as maiores responsabilidades no seio da estrutura familiar", frisou.

Também a presidente da UMAR/Açores, Maria José Raposo, considerou que são "as mulheres as mais afetadas pela crise", o que motiva ainda "a perda de direitos e poder de compra".

A responsável alertou para a situação das mulheres em alguns setores especificios, caso da agricultura, pescas com "vencimentos inferiores aos dos homens", acrescentando que a crise também afeta as empregadas domesticas.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.