Sócrates assegura que défice será 2,2% em 2008 mas não se pronuncia sobre 2009

Sócrates assegura que défice será 2,2% em 2008 mas não se pronuncia sobre 2009

 

Lusa/AO Online   Economia   11 de Dez de 2008, 14:27

O primeiro-ministro José Sócrates assegurou hoje, em Bruxelas, que o défice das contas públicas portuguesas será de 2,2 por cento do PIB no final do corrente ano mas não se quis pronunciar sobre qual será o desequilíbrio em 2009.
 "O que lhe posso garantir é que Portugal será um dos poucos, senão o único país da Zona Euro, que vai ter este ano um défice de 2,2 por cento", afirmou José Sócrates à entrada de uma reunião dos chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE).

    José Sócrates escusou-se a responder sobre qual será a trajectória do desequilíbrio das contas públicas em 2009, depois de na quarta-feira o ministro das Finanças ter admitido que o défice poderia aumentar para 3,0 por cento no ano que vem.

    "Também lhe posso garantir que toda a margem de manobra que tivermos será aproveitada para defender o emprego e para dinamizar a economia portuguesa", acrescentou o primeiro-ministro.

    José Sócrates salientou também a necessidade de os líderes europeus apoiarem o pacote de relançamento da economia dos 27 proposto pela Comissão Europeia como forma de lutar contra a crise económica e apoiar a manutenção de empregos.

    "A economia europeia está à espera desta decisão e eu espero que possamos apoiar essa proposta da Comissão que no fundamental faz um compromisso com uma iniciativa de mais investimento público", disse o primeiro-ministro à chegada ao Conselho Europeu.

    Os chefes de Estado e de Governo da UE iniciaram esta tarde uma reunião de dois dias em que vão tentar encontrar um consenso em torno de um plano de relançamento da economia europeia e do pacote energético e de combate às alterações climáticas, mas as diferenças ainda são muitas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.