Açoriano Oriental
PR considera que Amália “continua a ser a voz de Portugal” vinte anos após a sua morte

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este domingo que Amália Rodrigues “continua a ser a voz de Portugal” quando passam 20 anos da sua morte.

article.title

Foto: Direitos Reservados
Autor: Lusa/Ao online

Numa mensagem divulgada na página oficial da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que, 20 anos depois do seu “desaparecimento físico”, é notório que “a sua presença nunca foi tão unânime, enquanto personalidade humana e artística, enquanto intérprete, e mesmo enquanto símbolo nacional que efetivamente foi”.

O Presidente da República lembrou que em 2020 se celebra o centenário do seu nascimento para considerar que “Amália não pertence apenas a um tempo e a um país situados no tempo, e mais ou menos extintos, mas continua a ser a voz de Portugal, no seu orgulho e brio, na sua mágoa e alegria, voz dos grandes poetas e voz do povo”.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, a obra e a figura de Amália Rodrigues são reconhecidas por “gente de todas as idades, condições e convicções" como "um dos mais altos momentos da cultura portuguesa e da arte de ser português”.

Especificamente na música, afirmou, ainda hoje gerações de músicos, não só do fado, “continuam a medir-se com Amália e a prestar-lhe tributo” e são muitos os admiradores nacionais e internacionais "fiéis ao discos canónicos e atentos a reedições e gravações inéditas".

Amália Rodrigues morreu em 06 de outubro de 1999, aos 79 anos.



Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.