Pelo menos um voo CIA passou pelos Açores

Pelo menos um voo CIA passou pelos Açores

 

Lusa/AOonline   Regional   6 de Out de 2008, 18:40

Os Açores foram usados pelo menos uma vez como escala de um voo da CIA que transportava um preso de Guantanamo – no caso para o Cairo – segundo um relatório do Ministério da Defesa espanhol.
Dados do relatório - preparado pelo ministério da Defesa espanhol para a Audiência Nacional em Madrid e que inclui detalhes sobre o uso de bases espanholas para aviões que transportavam presos de ou para Guantamo – são divulgados pelo jornal El Pais.

    Entre as 13 escalas em bases espanholas e os 13 sobrevoos usando o espaço aéreo espanhol, o relatório dá conta de um voo, a 30 de Setembro, que passou duas vezes pelos Açores, numa viagem de ida e volta entre Guantanamo e o Cairo.

    Trata-se do avião modelo C-20 (idêntico aos normalmente usados pela CIA), com a matrícula REACHQ1 que terá feito escala nos Açores, antes de viajar para o Cairo, regressando depois com escala em Palma de Maiorca e passando novamente pelo arquipélago português.

    Segundo o El Pais, o relatório refere que esse voo transportava um preso sujeito a um processo de extradição, cuja identidade não é relevada nos documentos do governo espanhol.

    Para justificar o uso das bases espanholas, e ainda segundo o relatório, o governo norte-americano alegou como motivo o “fornecimento de apoio logístico”.

    Espanha nunca inspeccionou nenhum dos aviões nem questionou quem viajava a bordo, tendo os aviões usado Espanha com base num convénio bilateral entre os dois países.

    A informação contida no relatório divulgado esta segunda-feira contradiz informação difundida pelo Pentágono depois do escândalo dos voos da CIA ser conhecido publicamente.

    Na altura o Pentágono garantiu ao Ministério da Defesa espanhol que nenhum dos aviões que fizeram escala em bases tinha violado o previsto no convénio bilateral, ou seja não levavam prisioneiros.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.