Paquistão

Musharraf promete eleições em Janeiro de 2008

Musharraf promete eleições em Janeiro de 2008

 

Lusa / AO online   Internacional   5 de Nov de 2007, 16:54

O presidente paquistanês, Pervez Musharraf, prometeu aos diplomatas acreditados em Islamabad que as eleições legislativas irão realizar-se "o mais próximo possível" da data prevista, que era meados de Janeiro de 2008, disse o seu porta-voz.
Segundo Rashid Quereshi, Musharraf disse aos diplomatas que os esforços em curso visam "ficar o mais próximo possível do programa previsto para as eleições".

Horas antes, o primeiro-ministro paquistanês, Shaukat Aziz, citado pela imprensa governamental, tinha assegurado que as eleições legislativas e provinciais previstas para meados de Janeiro "terão lugar segundo o plano previsto".

Perez Musharraf decretou sábado o estado de emergência no país, decisão que justificou com a multiplicação dos atentados e a ingerência do poder judiciário nas prerrogativas do governo para lutar contra os terroristas islamitas, nomeadamente a libertação de suspeitos, por ordem de juízes.

Na reunião com os diplomatas, Musharraf explicou que o poder judiciário paralisou vários órgãos do Estado e criou impedimentos à luta contra o terrorismo, de acordo com o relato da agência oficial paquistanesa Associated Press of Pakistan (AAP).

Musharraf disse que as forças da ordem e os governos provinciais enfrentavam obstáculos em termos de segurança interna e da luta contra o terrorismo.

Ainda segundo a AAP, o presidente assegurou que Islamabad está a desenvolver esforços para a instauração de um regime totalmente democrático no país desde 1999, quando Musharraf ascendeu ao poder, na sequência de um golpe de Estado sem derramamento de sangue.

Musharraf referiu-se a uma primeira fase desse processo, que decorreu entre 1999 e 2002, durante a qual assumiu o controlo total dos assuntos governativos.

Seguiu-se a fase entre 2002 e 2007, com o Paquistão a ter um parlamento eleito, bem como assembleias provinciais e governos locais, enquanto o papel do presidente se restringia a aconselhar o governo em diversos assuntos de importância nacional, prosseguiu a AAP.

A AAP salientou que o presidente paquistanês reafirmou aos diplomatas o seu empenho numa transição total para a democracia, garantindo que serão realizadas eleições e referindo que terão de ser tomadas em breve "decisões e deliberações" face à nova situação legal no país.

Musharraf pediu ainda à comunidade internacional que compreenda as realidades do Paquistão e a decisão que tomou para "estabilizar a situação no país", acrescentou a agência noticiosa paquistanesa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.