Ministro da Economia apresenta localizações para 10 novas barragens

Ministro da Economia apresenta localizações para 10 novas barragens

 

Lusa/ AO online   Economia   4 de Out de 2007, 11:57

O ministro da Economia apresentou hoje as localizações para 10 novas barragens, para cumprir o objectivo de aumentar a produção de electricidade em Portugal até 7.000 Megawatts e elevar o aproveitamento hidrológico para 70 por cento da capacidade do país.
     O plano nacional de barragens com elevado potencial hidroeléctrico aponta como localizações Padroselos, Vidago, Daivões, Gouvães, Fridão, Foz-Tua, Pinhosão, Girabolhos, Alvito e Almourol.

    Este programa vai estar em discussão pública durante um mês, até Novembro, altura em que será consolidado.

    "Não estamos a fazer um anúncio de barragens, mas a apresentação de uma proposta que vai estar em discussão pública durante um mês. Então, depois, o plano será consolidado", afirmou aos jornalistas o ministro do Ambiente, Nunes Correia, a margem da cerimónia de apresentação do plano, que decorreu no Museu da Água.

    Por seu turno, o ministro da Economia, Manuel Pinho frisou que o objectivo deste plano é alcançar 7.000 Megawatts de energia [em 2020], o que representa 70 por cento do potencial hídrico do país.

    Manuel Pinho afirmou também que com as novas barragens "vamos conseguir produzir energia mais barata".

    O ministro do Ambiente sublinhou que com este plano, não se pretende fazer "business as usual", mas a "inaugurar uma nova abordagem de planeamento hidráulico".

    "Não há novidade nestas localizações, mas na forma como foram seleccionadas", afirmou Nunes Correia.

    Na selecção e análise que se fez dos 25 locais com potencial de implantação, o ministro do Ambiente frisou que a questão ambiental foi "decisiva para a escolha", tendo constituído "o cerne do processo de decisão".

    "Isso é inovador neste processo. O nosso guia de acção resume-se em três palavras: minimização e mitigação [dos impactos] e compensação [dos recursos naturais destruídos]", sustentou.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.