Embaixada angolana em Pequim já emitiu 40.000 vistos este ano


 

Lusa/AOonline   Internacional   10 de Nov de 2008, 11:58

A embaixada de Angola na China já emitiu este ano cerca de 40.000 vistos, confirmando o aumento das relações entre os dois países, afirmou o embaixador João Manuel Bernardo.
Numa conferência de imprensa para assinalar o 33º aniversario da independência de Angola, que se comemora terça-feira, o embaixador angolano em Pequim disse que "há muitos chineses a trabalhar na reconstrução nacional" do seu pais, nomeadamente na "reabilitação de estradas e escolas", mas não precisou quantos.

    "A cooperação com Angola está num nível muito bom (…) Há chineses em todas as 18 províncias de Angola, mas não sei exactamente quantos", disse.

    Dos vistos já emitidos este ano em Pequim, referiu, 5.000 são de trabalho e os restantes de curta duração.

    João Bernardo, acreditado em Pequim há seis anos, manifestou-se "muito satisfeito" com a presença chinesa em Angola e disse que a cooperação bilateral "irá aumentar".

    "Temos de construir um milhão de habitações e um milhão de empregos. É um grande projecto, um grande desafio, e precisamos da ajuda dos países amigos", salientou o diplomata.

    Segundo adiantou, nos primeiros nove meses deste ano, o valor do comércio bilateral já ultrapassou os 14 mil milhões de dólares (cerca de 11,2 mil milhões de euros), dos quais mais de 80 por cento dizem respeito ao petróleo angolano importado pela China.

    Nos últimos quatro anos, Angola tornou-se um dos maiores fornecedores de petróleo da China e o montante dos créditos chineses concedidos àquele país africano atingiu os 4,5 mil milhões de dólares (3,6 mil milhões de euros).

    A independência de Angola foi proclamada a 11 de Novembro de 1975.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.