Esforço de paz internacional

Yasuo Fukuda manterá relações amigáveis com os vizinhos asiáticos

Yasuo Fukuda manterá relações amigáveis com os vizinhos asiáticos

 

Lusa / AO online   Internacional   1 de Out de 2007, 12:11

O novo primeiro-ministro japonês, Yasuo Fukuda, garantiu hoje que se empenhará em manter relações amigáveis com os vizinhos asiáticos ao mesmo tempo que manterá o país activo nos esforços de paz internacionais.

"Exercerei uma diplomacia na qual o Japão poderá contribuir para a paz mundial, consciente das suas responsabilidades, coerentes com a sua potência, e de conquistar a confiança do mundo", afirmou Fukuda no Parlamento, seis dias depois de ter sido investido na chefia do governo.

Fukuda, 71 anos, que oficialmente tomou posse quarta-feira passada, substituindo Shinzo Abe, que se demitiu em Setembro, insistiu que os navios militares japoneses têm que continuar a auxiliar a coligação no Afeganistão.

    "Farei tudo o que estiver ao meu alcance para ganhar a confiança da população e dos membros do Parlamento a fim de prolongar a missão", prometeu.

Desde 2001, o Japão destacou navios e aviões no Oceano Índico para dar apoio logístico à coligação internacional dirigida pelos Estados Unidos, fiel aliado do Japão, país que fornece gratuitamente combustíveis aos navios aliados.

Mas a missão "antiterrorista", que simboliza a vontade de Tóquio de reforçar o seu papel diplomático e militar, terminará a 01 de Novembro se não for prolongada pelo Parlamento.

A oposição nipónica que ganhou o controlo do Senado em Julho jurou tudo fazer para impedir a sua renovação, condenando o envolvimento de um Japão pacifista em "guerras norte-americanas".

Esta missão naval "faz parte dos esforços conjuntos da comunidade internacional para impedir a proliferação de actividades terroristas, e serve os interesses nacionais do Japão, que depende fortemente das vias marítimas para a importação dos seus recursos", alegou Fukuda.

O primeiro-ministro reiterou o seu envolvimento na melhoria das relações entre o Japão e os seus vizinhos asiáticos, que se deterioraram gravemente sob o mandato do primeiro-ministro Junichiro Koizumi (2001-2006).

"Com a China, temos que contribuir em conjunto par a paz e estabilidade da Ásia, construindo relações mutuamente benéficas, baseadas nos nossos interesses estratégicos comuns", disse, prometendo, também "relações voltadas para o futuro" com a Coreia do Sul.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.