Açoriano Oriental
PAN acusa PSD e CDS de serem veículo para crescimento do Chega

O porta-voz do PAN, André Silva, acusou hoje PSD e CDS, que têm um acordo de governação nos Açores, de estarem a “servir de veículo e de plataforma” para o crescimento do Chega.

 PAN acusa PSD e CDS de serem veículo para crescimento do Chega

Autor: Lusa/AO online

“Se o CDS, se o PSD entendem que devem normalizar o discurso e a postura de partidos que têm os valores e a mundivisão do Chega, se entendem que devem, nos Açores neste caso em concreto, servir de veículo e de plataforma para o crescimento de um partido que nós consideramos que tem valores e uma mundivisão não democrática, não contem com o PAN”, afirmou André Silva.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, em Lisboa, o líder do Pessoas-Animais-Natureza estabeleceu que essa “é uma linha vermelha” para o seu partido.

“Não tem que ver com a formação de um governo daqueles três partidos em concreto, que são três partidos do campo democrático [PSD, CDS e PPM], e que jamais inviabilizaríamos uma solução governativa, mas neste caso concreto não podemos viabilizar uma solução de governo cuja estabilidade depende sempre ou dependeria sempre de uma força antidemocrática”, esclareceu.

A Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores integra 57 deputados e terá pela primeira vez oito forças políticas representadas.

O PS elegeu 25 deputados e perdeu a maioria absoluta que detinha há 20 anos na região, e esta semana PSD, CDS-PP e PPM anunciaram uma "proposta de governação profundamente autonómica", um "governo dos Açores para os Açores" e com "total respeito e compreensão pela pluralidade representativa do povo".

Hoje, o Chega anunciou que “vai viabilizar o governo de direita nos Açores”, após ter chegado a um acordo com o PSD em “vários assuntos fundamentais” para a Região Autónoma e para o país.

PSD, CDS-PP e PPM somam 26 deputados, juntando-se agora o apoio dos dois do Chega, faltando um voto para garantir a maioria absoluta de 29 parlamentares. O PAN elegeu um deputado nas eleições de 25 de outubro.

“O PAN está disponível, como sempre esteve disponível, para se encontrar uma solução de estabilidade parlamentar, e não contribuiria jamais, não contribuirá para um cenário de eleições antecipadas, nem para um cenário de instabilidade”, garantiu hoje o porta-voz, ressalvando, no entanto, que isso “não pode ser feito a qualquer custo”.

De seguida, André Silva reiterou que “o PAN não viabilizaria nunca um governo que depende” de um partido “que é do campo não democrático”, como já tinha dito o porta-voz do PAN/Açores, Pedro Neves.

Na ótica do PAN, “o Chega traz ao país, traz ao mundo político valores antidemocráticos, traz discriminação, traz intolerância, traz no fundo retirar direitos aqueles que menos podem e, portanto, o que esta solução vem ditar nos Açores é uma normalização, é uma tolerância total para com este campo político não democrático”.

André Silva sublinhou que o PAN demarca-se “totalmente e não entra neste jogo nem na viabilização de um governo que, no fundo, coloca em causa aqueles que são os valores democráticos que tanto nos custaram alcançar”.

O representante da República para a Região Autónoma dos Açores, Pedro Catarino, começa hoje a ouvir os partidos que elegeram deputados à Assembleia Legislativa açoriana, tendo em vista a indigitação do futuro presidente do Governo Regional.

A lei indica que o representante da República no arquipélago nomeará o novo presidente do Governo Regional "ouvidos os partidos políticos" representados no novo parlamento açoriano.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.