Malalai Kakar, a mais famosa mulher polícia afegã, morta por talibãs


 

Lusa / AO online   Internacional   28 de Set de 2008, 12:22

Malalai Kakar, a polícia mais famosa do Afeganistão, foi assassinada hoje de manhã por talibãs à porta da sua casa em Kandahar, informou fonte dos serviços de segurança.
    "Malalai Kakar foi atingida a tiro por homens armados esta manhã, em frente da sua casa. Teve morte instantânea e um filho seu foi ferido", declarou à imprensa Zalmay Ayoobi, porta-voz do governador de Kandahar.

    Um médico do hospital Mirwais, em Kandahar, confirmou que o corpo da vítima deu ali entrada e que o seu filho, ferido com gravidade, está em estado de coma.

    "Foi atingida na cabeça. O seu filho foi ferido e está em estado de coma", afirmou o clínico.

    A acção já foi reivindicada pelos talibãs.

    "Malalai Kakar era um dos nossos alvos e hoje conseguimos eliminá-la", declarou por telefone à agência noticiosa francesa AFP Yusuf Ahmadi, porta-voz dos rebeldes fundamentalistas afegãos.

    Malalai Kakar, 40 anos, era mãe de seis filhos, tinha patente de capitão e dirigia o departamento de crimes contra mulheres da polícia de Kandahar, a grande cidade do sul do país e feudo dos talibãs, que já a tinham ameaçado várias vezes.

    Filha e irmã de polícias, Malalai Kakar entrou para a polícia em finais dos anos 80, tendo fugido do país quando os talibãs chegaram ao poder e de imediato proibiram as mulheres de trabalhar: Retomou as suas funções após a queda do regime fundamentalista, em finais de 2001.

    Esta mulher da polícia afegã foi objecto de numerosos artigos da imprensa afegã e internacional.

    "Foi a primeira mulher a trabalhar na polícia de Kandahar após a queda do regime dos talibãs e era muito respeitada em Kandahar por ser muito corajosa", considerou uma fonte da polícia afegã sob anonimato.

    Os polícias afegãos pagam um pesado tributo à violência que ensanguenta o país, tendo morrido nos últimos seis meses 720 agentes, segundo o Ministério do Interior.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.